Categoria: Artigos

Incidência e fatores de risco para hipoglicemia durante a transição feto-neonatal em prematuros

Incidência e fatores de risco para hipoglicemia durante a transição feto-neonatal em prematuros

Incidence and Risk Factors for Hypoglycemia During Fetal-to-Neonatal Transition in Premature Infants.Mitchell NA, Grimbly C, Rosolowsky ET, O’Reilly M, Yaskina M, Cheung PY, Schmölzer GM.Front Pediatr. 2020 Feb 11;8:34. doi: 10.3389/fped.2020.00034. eCollection 2020.PMID: 32117839. Free PMC Article.Similar articles. ARTIGO LIVRE!

Tatiane Martins Barcelos – R4 Neonatologia – HMIB/SES/DF. Coordenação: Marta David Rocha de Moura.

A incidência de hipoglicemia em RNPT  IG <33 semanas foi de 33,7%. ´O fator de risco associado ao desenvolvimento de hipoglicemia foi a hipertensão materna, enquanto a administração pré-natal de sulfato de magnésio e estar em trabalho de parto no momento do nascimento foram fatores de proteção. ´Devido à alta incidência de hipoglicemia na população prematura, recomendamos fornecer infusão de glicose o mais rápido possível após o nascimento, além de estabelecer triagem e tratamento contínuos de acordo com  protocolos .

 

 

Manuseio mínimo do recém-nascido

Manuseio mínimo do recém-nascido

Marta David Rocha de Moura.

Trata-se de um conjunto de condutas padronizadas realizadas pela equipe multiprofissional que garantem o menor número de manipulações possível do recém-nascido (RN) prematuro extremo internado em uma UTI Neonatal.

OBJETIVOS

◦Minimizar o estresse e dor causados aos

recém-nascidos devido a manuseios excessivos

◦Reduzir as taxas de hemorragia intracraniana e

outras enfermidades que possam ser induzidas pelo manuseio excessivo.

◦Melhorar a qualidade de vida e diminuir os riscos de sequelas e morte dos RNs menores de 1000g – 1500g

INDICAÇÕES

RN pré-termo  com peso de nascimento menor ou igual a 1000 – 1500 gramas.

Possível transmissão vertical de SARS-CoV-2 de uma mãe infectada para seu recém-nascido (Comentários do Dr. Guilherme Sant´Anna, Canadá)

Possível transmissão vertical de SARS-CoV-2 de uma mãe infectada para seu recém-nascido (Comentários do Dr. Guilherme Sant´Anna, Canadá)

Possible Vertical Transmission of SARS-CoV-2  From an Infected Mother to Her Newborn.

Possible Vertical Transmission of SARS-CoV-2 From an …

Lan Dong, MD, Jinhua Tian, MD, Songming He, MD, Chuchao Zhu, MD, Jian Wang, MD, Chen Liu, MD, Jing Yang, MD

Realizado por Paulo R. Margotto

Um recém-nascido nascido de mãe com COVID-19 apresentou níveis elevados de anticorpos e resultados anormais nos testes de citocinas 2 horas após o nascimento. O nível elevado de anticorpos IgG sugere que o recém-nascido foi infectado no útero. Os anticorpos IgM não são transferidos para o feto pela placenta. O bebê poderia estar potencialmente exposto por 23 dias a partir do momento do diagnóstico da COVID-19 até o parto.

Os resultados laboratoriais que exibem inflamação e lesão hepática indiretamente apoiam a possibilidade de transmissão vertical. Embora a infecção no momento do parto não possa ser descartada, os anticorpos IgM geralmente não aparecem até 3 a 7 dias após a infecção e a IgM elevada no neonato era evidente em uma amostra de sangue colhida 2 horas após o nascimento.

Além disso, as secreções vaginais da mãe eram negativas para SARS-CoV-2. O teste de RT-PCR repetidamente negativo da criança nos swabs nasofaríngeos é difícil de explicar, embora esses testes nem sempre sejam positivos com a infecção. Os anticorpos IgG podem ser transmitidos ao feto através da placenta e aparecer depois da IgM. Portanto, a elevação do nível da  IgG pode refletir infecção materna ou infantil.

Monografia Pediatria (HMIB) 2020: Perfil epidemiológico e desfechos clínicos das crianças internadas por Meningite bacteriana em um hospital pediátrico brasileiro de referência: experiência de oito anos de serviço (2011-2019)

Monografia Pediatria (HMIB) 2020: Perfil epidemiológico e desfechos clínicos das crianças internadas por Meningite bacteriana em um hospital pediátrico brasileiro de referência: experiência de oito anos de serviço (2011-2019)

João Paulo Silva Cezar

A meningite bacteriana configura uma emergência pediátrica dado o potencial de óbito e sequelas se não adequadamente tratada a tempo. Este trabalho objetivou
descrever
perfil epidemiológico e desfechos clínicos das crianças internadas sob este hipótese diagnóstica em um hospital pediátrico de referência brasileiro no decorrer de oito anos (2011-2019), além de correlacionar desfechos desfavoráveis com os agentes etiológicos identificados e status vacinal, bem como quantificar a taxa de mortalidade da população estudada. Realizou-se um estudo quantitativo, transversal, descritivo,retrospectivo de pesquisa documental em prontuário eletrônico de 71 crianças com este diagnóstico. Descreveu-se o perfil de crianças atendidas com este diagnóstico,bem como os agentes etiológicos e desfechos desfavoráveis agudos. O número pequeno da amostragem interferiu na análise de significância estatística, embora a desatualização vacinal tenha sido marcante. A presença de crises epilépticas prévias ao diagnóstico foi fator de risco com significância para o óbito. Este estudo permitiu um retorno ao serviço quanto a condução das crianças com meningite bacteriana, o que facilitará definições de novas condutas visando melhorias, além de reforçar a necessidade da atualização vacinal. Novos e maiores estudos são necessários para aprofundar o conhecimento sobre esta patologia na população pediátrica brasileira.

Displasia broncopulmonar

Displasia broncopulmonar

Paulo R. Margotto. Capitulo do livro Assistência ao Recém-Nascido de Risco, 4a Edição, 2020, no prelo.

A displasia broncopulmonar (DBP) constitui um dos mais importantes desafios e um problema persistente na moderna medicina neonatal. Nos Estados Unidos por volta de 5000 a 12000 recém-nascidos (RN) desenvolvem DBP cada ano e esta está associada com aumento do risco de paralisia cerebral e atraso neurocomportamental.

A displasia broncopulmonar (DBP) foi inicialmente descrita por Northway e cl em 1967 como uma injúria pulmonar em prematuros submetidos ao oxigênio e a ventilação mecânica. Os achados patológicos que predominavam eram a lesão da via aérea, severa fibrose do   parênquima e inflamação.  Com o uso do esteróide pré-natal, o uso do surfactante pulmonar e o uso de ventilação mecânica mais “gentil”, a DBP tornou-se infrequente nos RN com mais de 1.200g ou maiores de 30 semanas de gestação.

No entanto, nos RN prematuros extremos (RN < 1.000g) a incidência de DBP, definida com a necessidade de O2 às 36 semanas de gestação pós-concepção está em torno de 30% (às vezes necessitam de O2 por meses ou anos). Interessante que o pulmão destes RN com a nova displasia broncopulmonar (N-DBP) não apresenta as lesões descritas no passado e apresentam primariamente uma diminuição da septação alveolar e diminuição do desenvolvimento vascular, ou seja, o houve uma parada no desenvolvimento pulmonar. O achado patológico consistente nos RN pré-termos que receberam suporte ventilatório é a diminuição da alveolarização. Comparando-se com as descrições antigas de DBP, os novos pré-termos com DBP não têm metaplasia escamosa das vias aéreas, nem fibrose peribrônquica, nem severa fibrose septal alveolar e nem mudanças vasculares hipertensivas. No entanto, o espessamento da musculatura das vias aéreas e o desarranjo da arquitetura fibro-elástica persistem como anormalidades na nova DBP. O achado mais consistente inclui a hipoplasia alveolar, a fibrose  sacular variável  e mínima lesão das vias aéreas. Este novo achado indica uma interferência no desenvolvimento anatômico normal do pulmão que pode evitar o crescimento e desenvolvimento pulmonar subsequente.

A nova DBP difere da velha DBP  pela localização da injúria e pelas alterações  histopatológicas no sistema respiratório (a nova DBP resulta em uma injuria pulmonar mais distal; a lesão brônquica é mínima). Com base neste novo conceito, Makhoul sugere trocar o nome de displasia broncopulmonar para pneumopatia crônica da prematuridade  ou doença pulmonar crônica da prematuridade, omitindo assim o termo “bronco” e enfatiza  a cronicidade desta doença e sua relação direta com o grau de prematuridade.

O pulmão fetal não começa alveolarizar até por volta de 32 semanas de idade gestacional e a alveolarização contínua até por volta de 18 meses de idade, quando a criança passa a ter 300 milhões de alvéolos. Entre 32 semanas e a termo, por volta de 1/3 do número de alvéolos da fase adulta se forma nesta janela de tempo

Avanços no diagnóstico e tratamento da instabilidade hemodinâmica do choque neonatal

Avanços no diagnóstico e tratamento da instabilidade hemodinâmica do choque neonatal

Advances in Diagnosis and Management of Hemodynamic Instability in Neonatal Shock.Singh Y, Katheria AC, Vora F.Front Pediatr. 2018 Jan 19;6:2. doi: 10.3389/fped.2018.00002. eCollection 2018. Review.PMID: 2940431.Free PMC Article.Similar articles. Artigo Livre. 

Apresentação: Milena Pires( R4 em Neonatologia do HMIB/SES/DF). Coordenação: Diogo Pedroso.

A chave para o tratamento do choque no período neonatal é a identificação e determinação precoces da etiologia para prestar cuidados adequados.

Disfunção miocárdica, tempo de enchimento capilar (TEC) anormal e a hipovolemia que leva à diminuição da oferta de oxigênio e nutrientes aos tecidos são frequentemente as principal fontes do choque neonatal. Isso geralmente é complicado pela insuficiência adrenal relativa, freqüentemente observada no bebê prematuro.

O miocárdio neonatal possui menos elementos contráteis em comparação com crianças mais velhas e adultos. O miocárdio imaturo necessita de maior estímulo  contrátil, mas possui uma sensibilidade mais alta a alterações na pós-carga.

Esses achados são importante na transição de alta resistência vascular para baixa resistência com a saída da placenta, é ainda evidenciado pelo baixo fluxo da veia cava superior (VCS) observado em uma grande proporção de bebês nas primeiras 6 a 12 horas de vida.

A fisiopatologia do choque em recém-nascidos é única, pois está associada à transição fisiológica da circulação fetal para a circulação neonatal ao nascer

Outras características que tornam ainda mais difícil a adaptação do miocárdio neonatal às alterações no nascimento:

  • Maior teor de água, maior relação superfície / volume
  • Retículo sarcoplasmático imaturo
  • Dependência de estoques extracelulares de cálcio

Esse cenário pode ser ainda agravado por fatores que levam à hipoxia fetal e à depressão perinatal, levando à acidose metabólica e à má função do miocárdio.

 

A persistência do canal arterial (PCA) hemodinamicamente significativo (hPCA) é uma causa comum de hipotensão em recém-nascido de muito baixo peso (RNMBP). Por isso hPCA com diminuição resultante das PA diastólicas também pode afetar teoricamente a perfusão do miocárdio.

 O VALOR DA PRESSÃO ARTERIAL MÉDIA MENOR QUE A IDADE GESTACIONAL em semanas é frequentemente considerado adequado nos primeiros dias de vida, mas isso é bastante simplista, pois os limiares podem variar entre pacientes diferentes e em momentos diferentes no mesmo paciente. Portanto, deve-se prestar atenção a medidas adicionais de perfusão.

Outras medidas clínicas indiretas da função cardiovascular incluem tempo de enchimento capilar, TEC, débito urinário, fequência cardíaca (FC) e presença de acidose láctica. Uma combinação dessas medidas oferece maior especificidade para a detecção de estados de baixo fluxo.

 

  • Não há correlação clara entre volume sanguíneo e pressão arterial em neonatos
  • A hipovolemia raramente é a principal causa de hipotensão no RNMBP nos primeiros dias de vida, a menos que haja um histórico claro de perda de sangue perinatal.
  • De fato, estudos mostraram que a dopamina é mais eficaz na correção da hipotensão, em comparação com a ressuscitação hídrica no período pós-natal imediato.
  • Além disso, a administração excessiva de líquidos pode estar associada a resultados adversos, como PCA, doença pulmonar crônica e mortalidade

As informações fisiológicas obtidas pelo ecocardiograma funcional à beira do leito podem ajudar na escolha lógica de medicamentos, dependendo da fisiologia subjacente e dos efeitos hemodinâmicos desejados.

 Por exemplo, pacientes com choque podem justificar o uso de terapia vasopressora, enquanto pacientes com função cardíaca comprometida podem precisar de mais terapia inotrópica

PORTANTO….

  • O choque no período neonatal está associado a estados fisiopatológicos únicos que precisam de avaliação cuidadosa e abordagem individualizada para o manejo.
  • O reconhecimento precoce do choque e sua fisiopatologia subjacente são críticos para instituir uma intervenção específica precoce, o que pode melhorar os resultados em pacientes com choque neonatal.
  • Um ecocardiograma funcional à beira do leito pode fornecer informações anatômicas e fisiológicas vitais para esse tratamento. O uso generalizado é limitado devido à sua falta de disponibilidade, programas de treinamento estruturados para neonatologistas e dados sobre resultados clínicos. Essa modalidade deve ser mais explorada para gerar dados para os desfechos terapêuticos que podem ser usados para padronizar e protocolar o tratamento do choque neonatal. Recomendamos que a ecocardiografia focada no choque neonatal fosse considerada uma extensão do exame clínico e de outros parâmetros clínicos tradicionalmente utilizados.

 

Discussão Clínica: Sepse neonatal precoce: dilemas diagnósticos e manejo prático; Alterações microbiana e metabólica precoces afetam o risco de asma na infância; Ultrassonografia nas Hidronefroses; Viabilidade e segurança da dosagem de enoxaparina em miligramas inteiros em prematuros e recém-nascidos a termo; Fechamento do canal arterial com paracetamol endovenoso: nova abordagem para o tratamento do canal arterial patente.

Discussão Clínica: Sepse neonatal precoce: dilemas diagnósticos e manejo prático; Alterações microbiana e metabólica precoces afetam o risco de asma na infância; Ultrassonografia nas Hidronefroses; Viabilidade e segurança da dosagem de enoxaparina em miligramas inteiros em prematuros e recém-nascidos a termo; Fechamento do canal arterial com paracetamol endovenoso: nova abordagem para o tratamento do canal arterial patente.

Paulo R. Margotto e Equipe Neonatal do HMIB/SES/DF

Desordens Funcionais Gastrointestinais da Infância/Neonatos/Crianças pequenas

Desordens Funcionais Gastrointestinais da Infância/Neonatos/Crianças pequenas

Yanna Gadelha

A decisão de procurar o médico não acontece somente pelos sintomas da criança, mas também pelos medos dos pais. Assim, o médico não só precisa de dar o diagnóstico, mas também reconhecer o impacto dos sintomas nas emoções familiares. O manejo vai depender do assegurar com os pais uma aliança terapêutica.

  • Regurgitação em lactentes
  • Síndrome da ruminação dos lactentes
  • Síndrome dos vômitos cíclicos
  • Cólicas do lactente
  • Diarréia funcional
  • Disquesia do lactente
  • Constipação funcional
Um novo Icterômetro para Triagem de hiperbilirrubinemia em Cenários de baixo recurso

Um novo Icterômetro para Triagem de hiperbilirrubinemia em Cenários de baixo recurso

A Novel Icterometer for Hyperbilirubinemia Screening in Low-Resource Settings.Lee AC, Folger LV, Rahman M, Ahmed S, Bably NN, Schaeffer L, Whelan R, Panchal P, Rahman S, Roy AD, Baqui AH.Pediatrics. 2019 May;143(5). pii: e20182039. doi: 10.1542/peds.2018-2039. Epub 2019 Apr 5.PMID:30952779.Similar article.

Realizado por Paulo R. Margotto.

Os autores frisam que nas  áreas com poucos recursos, a disponibilidade e custo da medição da bilirrubina sérica são obstáculos importantes para identificar recém-nascidos que necessitam encaminhamento e / ou fototerapia para o manejo da icterícia neonatal. A Bili-régua aborda várias limitações do icterômetro original de Gosset e tem excelente validade para identificar os diferentes limiares de hiperbilirrubinemia. A Bili-régua pode capacitar trabalhadores de saúde para mais rapidamente e com precisão identificar os bebês com hiperbilirubinemia e fornecer-lhes encaminhamento antecipado e / ou oportuno tratamento com fototerapia. Isto é o primeiro passo necessário para ajudar a reduzir mortalidade e morbidade relacionada hiperbilirrubinemia nas comunidades mais carentes.

 

POSTER: Defeitos na parede abdominal: um estudo de coorte retrospectivo

POSTER: Defeitos na parede abdominal: um estudo de coorte retrospectivo

Vítor de Castro Cabral, Thatiane G.G. Pereira, Marta David R. de Moura, Sandra Lúcia A de C. Lins. VI Encontro de Neonatologia- IV Simpósio Interdisciplinar de Atenção ao Prematuro, Gramado, 11 a 13 de abril de 2019.

A gastrosquise é a malformação de parede mais freqüente de desfecho grave, com elevado tempo de internação, necessidade de maior tempo para início de NPT e dieta enteral, além de elevada morbidade. O acometimento por sepse tardia se mostrou mais freqüente nos pacientes com gastrosquise, com um risco cerca de seis vezes maior que na onfalocele (OR=6,IC95%=1,9–18,5). Apesar de ocorrido mais óbitos em RN com onfalocele, essa diferença não foi estatisticamente significativa, essa condição se deve a Uma associação maior da onfalocele com outras malformações.