Mês: maio 2020

NEUROSSONOGRAFIA NEONATAL-compartilhando imagens: Encefalopatia Hipóxico-isquêmica: lesão do putamen e tálamo (Sinal das quatro colunas)

NEUROSSONOGRAFIA NEONATAL-compartilhando imagens: Encefalopatia Hipóxico-isquêmica: lesão do putamen e tálamo (Sinal das quatro colunas)

Caso Clínico:

RN de parto normal, 40 semanas+ 5dias, Apgar de 0/2 peso ao nascer de 3850g, GIG, sexo masculino, sem intercorrências na gravidez. Apresentou desacelerações durante as contrações, tentativa de parto domiciliar, chegando à Maternidade em período expulsivo. Líquido amniótico tinto de mecônio. Aspirado traquéia com saída de mecônio espesso. Massagem cardíaca, com recuperação da frequência cardíaca em 1 minuto, não exibindo movimento respiratório, permanecendo hipotônico, arrefléxico, sendo encaminhado à UTI Neonatal intubado. Apresentou crise convulsiva com 1 hora de vida. Gasometria: pH=7,09; HCO3=7,9; BE=-21,9; PaCO2=26: PaO2=93. Submetido ao Protocolo de hipotermia terapêutica. Pupilas mióticas.

Limite de Viabilidade -2020

Limite de Viabilidade -2020

Carlos Moreno Zaconeta.

  • Um grande desafio da Perinatologia é definir o nível de maturidade fetal abaixo do qual a sobrevida ou um neurodesenvolvimento aceitável , são extremamente improváveis.
  • Do ponto de vista ético é importante estabelecer se os procedimentos a que serão submetidos o bebê e a família terão como resultado a sobrevida da criança e com qualidade .
RECÉM-NASCIDO PREMATURO EXTREMO

RECÉM-NASCIDO PREMATURO EXTREMO

Paulo R. Margotto/ Jefferson Guimarães Resende.

São recém-nascidos com idade gestacional menor que 28 semanas e compreendem 0,98% da população nascida viva na Maternidade do Hospital Regional da Asa Sul, com uma taxa de sobrevivência de 52,6%.

O maior desafio terapêutico no manejo destes RN é o controle dos desarranjos fisiopatológicos resultantes da marcada imaturidade

Colostroterapia-2020 (É necessário aguardar 48 hs de vida para iniciar?)

Colostroterapia-2020 (É necessário aguardar 48 hs de vida para iniciar?)

Apresentação: Luciana Trindade (R3 de Neonatologia/HMIB/SES/DF. Coordenação: Carlos Alberto Zaconeta.

“É necessário aguardar 48 horas de vida para iniciar o procedimento? No caso de pacientes estáveis, é possível iniciar antes deste tempo? “

  • Geralmente 48h em nossa Unidade por dois motivos: 1) a maioria dos estudos inicia com este tempo de vida, o que nos garante segurança em nosso procedimento; 2) as mães estão mais presentes após 48h de vida do RN (antes, geralmente, estão muito debilitadas para ir à Unidade e/ou fazer a ordenha) e com uma quantidade de colostro adequada.
  • Só encontramos um estudo em que se inicia a colostroterapia com 24h de vida do RN (Álvarez EM, Cabanillas MVJ, Caballero MP, López LS, Kajarabille N, Castro JD, et al.Efectos de la administración de calostro orofaríngeo en recién nacidos prematuros sobre los niveles de inmunoglobulina A. Nutr Hosp, v.33: 233-238, 2015).

 

  • Não vemos  problema de iniciar neste período de 24h de vida, considerando-se este estudo supracitado, inclusive estamos fazendo.
  • Porém, antes de 24h de vida do RN não existem evidências que garantam aplicabilidade, benefícios e/ou segurança para instituição da colostroterapia. Assim, não acredito ser aconselhável iniciar este procedimento antes de 24h de vida.
Avaliação da precisão do teste de diagnóstico de proteína C reativa para infecção tardia em recém-nascidos: uma revisão sistemática e metanálise

Avaliação da precisão do teste de diagnóstico de proteína C reativa para infecção tardia em recém-nascidos: uma revisão sistemática e metanálise

Assessment of C-Reactive Protein Diagnostic Test Accuracy for Late-Onset Infection in Newborn Infants: Systematic Review and Meta-analysis.Brown JVE, Meader N, Wright K, Cleminson J, McGuire W.JAMA Pediatr. 2020 Feb 3. doi: 10.1001/jamapediatrics.2019.5669. [Epub ahead of print].PMID: 32011640.Similar articles.

Apresentação: Laura Pereira Nishioka. Coordenação: Alexandre P. Serafim.

A infecção de início tardio (>72 horas de vida) está associada a resultados adversos no desenvolvimento neurológico, incluindo paralisia e deficiências visuais, auditivas e cognitivas. Já que os sinais clínicos de infecção no s neonatos podem ser inespecíficos, a cultura microbiológica leva 24-48 horas, o tratamento tardio pode aumentar o risco de morbimortalidade e o tratamento empírico de todos suspeitos levaria a curós desnecessários de antibióticos, foram desenvolvidos marcadores e entre esses, o mais utilizado tem sido a proteína C reativa (PCR).  A PCR é um reagente de fase aguda sintetizado por hepatócitos em resposta a citosinas inflamatórias geradas pelos glóbulos brancos que reagem a pirogênios microbianos. O presente estudo responde a pergunta: O nível sérico de proteína C reativa é suficientemente preciso para auxiliar no diagnóstico de infecção tardia em recém-nascidos? A presente revisão sistemática e metanálise, englobando estudos de 1946 a 2019, englobando 22 estudos de coorte (2255 crianças) comparando a precisão do teste diagnóstico de proteína C reativa sérica com cultura microbiológica, a mediana para a especificidade foi de 0,74 e a sensibilidade combinada foi de 0,62. Acessando somente o nível sérico de PCR seriam perdidos 152 casos de infecção (resultados falso-negativos) e diagnosticados erroneamente 156 casos (resultados falso-positivos). Esses resultados sugerem que o nível sérico de proteína C-reativa não é suficientemente preciso para ajudar no diagnóstico ou para informar a decisão para tratar bebês com suspeita de infecção tardia. Nos complementos, o papel da PCR nos prematuros extremos, devido a sua inconsistente resposta inflamatória à sepse, várias condições não infecciosas que influenciam os valores de PCR nos primeiros dias, razão pela qual avaliamos a PCR depois de 24 horas de vida.

Nutrição Enteral Precoce está associada a melhores resultados clínicos em crianças gravemente doentes: Uma análise secundária do suporte nutricional no ensaio de titulação pediátrica de insulina na insuficiência cardíaca e pulmonar.

Nutrição Enteral Precoce está associada a melhores resultados clínicos em crianças gravemente doentes: Uma análise secundária do suporte nutricional no ensaio de titulação pediátrica de insulina na insuficiência cardíaca e pulmonar.

Early Enteral Nutrition Is Associated With Improved Clinical Outcomes in Critically Ill Children: A Secondary Analysis of Nutrition Support in the Heart and Lung Failure-Pediatric Insulin Titration Trial. Srinivasan V, Hasbani NR, Mehta NM, Irving SY, Kandil SB, Allen HC, Typpo KV, Cvijanovich NZ, Faustino EVS, Wypij D, Agus MSD, Nadkarni VM; Heart and Lung Failure-Pediatric Insulin Titration (HALF-PINT) Study Investigators. Pediatr Crit Care Med. 2020 Mar;21(3):213-221. doi: 10.1097/PCC.0000000000002135. PMID: 31577692.Similar articles

Apresentação: João Paulo S. Cezar (R3 em UTI Pediátrica). Coordenação: Alexandre P. Serafim.

  • A partir da análise secundária do estudo pediátrico HALF-PINT (The Heart and Lung Failure-Pediatric Insulin Titration study) – NEJM; Fev/2017, os autores avaliaram a hipótese de que a nutrição enteral (NE) inicial dentro de 48 horas após a randomização no estudo foi associada a menor mortalidade hospitalar em 90 dias. Em comparação com a NE precoce e NE não precoce, houve significativamente menor mortalidade hospitalar em 9º dias, mais dias sem UTI, mais dias em hospital, mais dias sem ventilação mecânica e menos disfunção orgânica no grupo da NE precoce. Esse estudo fornece evidências convincentes de que uma estratégia de suporte nutricional da NE inicial é benéfica e provavelmente melhorará os resultados clínicos de curto e longo prazo em crianças criticamente doentes com hiperglicemia. Embora estudos em crianças doentes demonstraram a segurança da EN em crianças com infusões vasoativas, a presente análise destaca que os médicos tendem a evitar o início precoce da NE no cenário de instabilidade hemodinâmica que requer suporte de apoio inotrópico. Nos complementos, enfatizamos, como dito pela Dra. Cléa Leone, que “a nutrição parenteral (NP) nos mostra cada vez mais que ela não é uma solução; é uma alternativa, diria, um acessório, para nos ajudar a chegar aonde deveremos chegar”. Nos complementos, a  importância do uso da nutrição enteral mínima precocemente nos neonatos, com diminuição da sepse tardia, da displasia broncopulmonar, da retinopatia da prematuridade que necessita de cirurgia, sem aumento de enterocolite necrosante (na NP aumenta a permeabilidade intestinal predisponde a enterocolite necrosante!), menos necessidade de fototerapia, menos intolerância alimentar, aumenta o crescimento intestinal,  mais rapidamente atinge a nutrição enteral plena, podendo inclusive ser usada em bebês em hipotermia terapêutica.
Neurossonografia Neonatal-compartilhando imagens: Encefalopatia hipóxico-isquêmica (lesão na gânglia basal, com envolvimento do núcleo caudado). Consequências

Neurossonografia Neonatal-compartilhando imagens: Encefalopatia hipóxico-isquêmica (lesão na gânglia basal, com envolvimento do núcleo caudado). Consequências

Paulo R. Margotto.

Recém-nascido (RN) de parto vaginal, 41 semanas 1 dia, Apgar de 2, 6,8, peso ao nascer de 3010g, convulsão na primeira hora de vida, submetido à hipotermia terapêutica conforme o Protocolo. Evoluiu com choque séptico. Apresentou sangramento no tubo orotraqueal no 4º e 5º dia de vida

Monografia-Neonatologia (HMIB-2020):Perfil dos recém-nascidos submetidos à fototerapia intensiva numa Unidade de Terapia Intensiva Neonatal do Distrito Federal

Monografia-Neonatologia (HMIB-2020):Perfil dos recém-nascidos submetidos à fototerapia intensiva numa Unidade de Terapia Intensiva Neonatal do Distrito Federal

André Da Silva Simões. Orientador(a): Dra. Nathália Bardal.

O uso da fototerapia intensiva é normalmente eficaz no tratamento da hiperbilirubinemia. É importante frisar, em primeiro lugar, a importância de que os profissionais que operam os aparelhos sejam habilitados a aplicar a terapia, devendo conhecer em detalhes suas características e forma de operação. ´Caso não sejam cumpridas as normas e rotinas recomendadas para o bom uso dos aparelhos, os pacientes ficarão expostos à riscos de sequelas devido a uma incorreta aplicação fototerápica, e por consequência, maior período de internação no hospital.

Esta forma de terapia também se mostra muito importante para a diminuição das necessidades de intervenção mais agressivas como da exsanguineotransfusão.

Ao longo da pesquisa, a correta identificação dos diagnósticos etiológicos, incluindo faixa de peso e idade gestacional, são de fundamental importância para o correto controle dos valores de taxa de bilirrubina e, por consequência, a tomada de decisão correspondente para iniciar ou não o tratamento fototerápico intensivo e detalhes dos procedimentos e acompanhamento.

Quanto à identificação de prevalência de exsanguineotransfusão na Unidade, esta foi muito pequena, evidenciando a baixa taxa de realização de exsanguineotransfusão, bem como a ausência de complicações relacionadas ao procedimento.

A administração da imunoglobulina também mostrou-se segura. Por outro lado, a taxa de recém-nascidos que necessitaram tratamento com imunoglobulina acompanhou a taxa daqueles que necessitaram passar pelo procedimento de exsanguineotransfusão. Fica a ressalva que por causa da amostra e características dos procedimentos realizados, não foi possível estabelecer como absoluta a relação.

Compreende-se haver necessidade de estudos adicionais para confirmar-se de forma mais veemente a inexistência de relação entre o quadro de icterícia com os diagnósticos de enterocolite e  displasia broncopulmonar.

 

 

COVID-19 NA UTI NEONATAL: MITOS E VERDADES NA NEONATOLOGIA

COVID-19 NA UTI NEONATAL: MITOS E VERDADES NA NEONATOLOGIA

Live com Guilherme Sant`Anna (Canadá). Organização: Marilene K. Martins (SP)

Reprodução autorizada realizada por Paulo R. Margotto

Hoje estamos vivenciando um momento único. Lembro que temos sempre coisas boas, no meio de coisas ruins. Procurem coisas boas para aprender tirar lições nesses momentos difíceis. Todos nós estamos passando por um momento difícil. A humanidade está passando por um momento difícil, particularmente o Brasil, devido às condições econômicas, sociais e políticas. O país nesse momento deveria estar unido e não dividido. Em minha opinião o Brasil está atravessando um momento mais difícil. Você pode dizer que os EUA tem mais casos e óbitos do que o Brasil, mas nas condições do Brasil e  na minha opinião, a tendência é que as coisas no Brasil vão piorar nos meses de maio, junho e julho por causas das  condições culturais, econômicas e políticas. Mesmo assim, é possível tirar coisas boas e aprender a ver que é possível realizar um Encontro como esse. Uma lição que tento passar inclusive para os meus colegas daqui do Canadá: o médico, enfermeira, fisioterapeuta precisam Estudar. Estamos em frente a uma doença que não conhecemos e se não estudarmos, vamos continuar no escuro. Devemos entender porque as normas são definidas.