Categoria: Infecções Prinatais Crônicas

COVID-19 EM RECÉM-NASCIDOS E ASSISTÊNCIA RESPIRATÓRIA: EVIDÊNCIAS ATUAIS E ABORDAGEM PRÁTICA

COVID-19 EM RECÉM-NASCIDOS E ASSISTÊNCIA RESPIRATÓRIA: EVIDÊNCIAS ATUAIS E ABORDAGEM PRÁTICA

XXVII Encontro Internacional de Neonatologia da Santa Casa de São Paulo (Versão Inédita Online).

 Guilherme Sant´Anna (Canadá).

Realizado por Paulo R. Margotto.Neurossonografista das UTI Neonatais do Hospital Santa Lúcia, da Maternidade Brasília e Hospital Materno Infantil de Brasília.pmargotto@gmail.com. www.paulomargotto.com.br.

Entre os destaques: não há confirmação convincente de que haja transmissão vertical da COVID-19 no atual momento, a maior parte dos bebês não apresentam problema algum e a transmissão horizontal precoce é possível. Assim, o desconforto respiratório logo após o nascimento não é causado pela COVID-19 e sim pela prematuridade e outras morbidades. Talvez o problema maior seja nos Profissionais de Saúde que estão trabalhando dentro da UTI e os pais. Quanto à abordagem respiratória: seguir as normas do Programa de Reanimação, com pequenas modificações comentadas a seguir, minimizar a exposição do Profissional (menor número de pessoas na Sala de Parto), encaminhar o RN à UTI numa incubadora pelo caminho mais curto. Quanto à transmissão: ocorre por gotículas de ar que não tem capacidade de ficar flutuando no ar a longa distância (manter a distância entre 1-2 metros), contato com superfícies, aerossóis (vírus pode permanecer viável e contagioso em aerossóis por horas). Os adultos transmitem pela fala, tosse e respiração (no caso do RN, quando chora). Não se conhece a quantidade de vírus que contém essas partículas, porque a carga viral é diferente em cada paciente. O grande problema é quando produzimos aerossol através do procedimento ventilação mecânica, ventilação não invasiva, aspiração oral, nasal e traqueal, cânula de alto fluxo, ambú e máscara. No entanto, esses procedimentos são pobres na produção de aerossóis e os modelos matemáticos demonstram que a chance do Profissional de Saúde pegar a infecção por aerossol é muito baixa. Os Profissionais de Saúde que usaram máscaras cirúrgicas ficaram tão protegidos quando a N95. Não há um quadro típico de SARS-COV-2 em RN. Revisão sistemática de ventilação manual, antes ou depois da intubação, não foi associada a um aumento do risco de transmissão viral. Já a intubação traqueal aumenta 3 vezes mais a chance de adquirir a infecção (essa deve ser realizada pelo colega de maior experiência nesse momento de pandemia) A dispersão  do ar em procedimentos geradores de aerossol no RN de 3Kg, em relação a do adulto, é 23 vezes menor (ao redor de 2 cm!). Assim  a idéia de não querer usar a ventilação com ambú e máscara para evitar a produção de aerossol, não é uma idéia correta, pois, como vimos a dispersão é pequena em adulto e muito menor ainda em recém-nascidos (é importante evitar escape pela máscara! Com operador inexperiente, o escape pode ocorrer em até 40%). Devem ser usados os filtros hidrofóbicos bacterianos/virais na parte expiratória do sistema (não colocar entre o ambú e o paciente, pelo risco do aumento do espaço morte e aumento do CO2, principalmente em bebês <1000g). Em CPAP selo d´agua colocar o filtro antes do ar entrar na água para não espalhar no ar!Lembrar que esses bebês não nascem com coronavirus. A transmissão vertical  é muito rara. Quanto à aspiração, revisão sistemática mostrou que a aspiração de secreção não se associou ao aumento do risco de transmissão.  Existe alguma evidência que se for entubar por estar próximo ao doente, fazer a aspiração de forma contínua. Sempre aspirar o tubo em um sistema fechado.Não há nenhuma evidência que haja novos modos de ventilação para os pacientes positivos ou suspeitos que possa diminuir a produção de aerossóis e melhorar o prognóstico do paciente. É bom você lembrar que o bebê é seu amigo, você é o maior inimigo dele

 

Hidropisia fetal não imune: duas décadas de experiência em um Hospital Universitário

Hidropisia fetal não imune: duas décadas de experiência em um Hospital Universitário

Nonimmune hydrops fetalis: two decades of experience in a university hospital].Fritsch A, et al. Rev Bras Ginecol Obstet. 2012. PMID: 22948503 Portuguese.

Hidropsia fetal não imune: experiência de duas décadas num hospital universitário.

Apresentação: Gustavo Borela Valente R4 Neonatologia HMIB/SES/DF. Coordenação: Nathalia Bardal.

A investigação etiológica da hidropisia deve ser realizada, uma vez que está associada a um amplo espectro de doenças.

– É especialmente importante para determinar se uma condição potencialmente tratável está presente e para identificar doenças com risco de recorrência em futuras gestações (aconselhamento pré-concepcional).

– O encaminhamento de pacientes com hidropisia fetal não imune a Centros de atendimento de alta complexidade parece ser a melhor conduta no momento.

–  Nestes, o acompanhamento por uma equipe multidisciplinar, composta de obstetra, ultrassonografista experiente, geneticista, psicólogo e neonatologista, pode levar a um melhor entendimento das causas e à busca por novos procedimentos diagnósticos e terapêuticos.

Recomendações para Assistência ao Recém-Nascido na sala de parto de mãe com COVID-19 suspeita ou confirmada

Recomendações para Assistência ao Recém-Nascido na sala de parto de mãe com COVID-19 suspeita ou confirmada

Sociedade Brasileira de Pediatria (do Grupo Executivo do Programa Nacional de Reanimação Neonatal)-Março de 2020

Coordenadoras gerais: Maria Fernanda B. de Almeida (SP) e Ruth Guinsburg (SP)
Membros: Danielle CB Brandão (PE), Gislayne CS de Nieto (PR), Jamil PS Caldas (SP), João Cesar Lyra (SP), José Dias Rego (RJ),
José Henrique S Moura (PE), José Roberto M Ramos (RJ), Leila DC Pereira (SC), Lêni M Anchieta (MG), Lícia MO Moreira (BA),
Lígia MSS Rugolo (SP), Lilian SR Sadeck (SP), Mandira D Kawakami (SP), Marcela DR de Castro (MG), Marcia GP Machado (MG), Marynéa S Vale (MA), Paulo JH Nader (RS), Rossiclei S Pinheiro (AM), Sérgio TM Marba (SP), Tatiana R Maciel (BA)

 

NEUROSSONOGRAFIA NEONATAL-Compartilhando imagens: Toxoplasmose Congênita

NEUROSSONOGRAFIA NEONATAL-Compartilhando imagens: Toxoplasmose Congênita

Naima M. Hamidah, Paulo R. Margotto.

RN de 33 semanas, com suspeita de holoprosencefalia pelo ultrassom (US) obstétrico feito 1 dia antes do nascimento. US transfontanelar e Tomografia de crânio mostraram importante hidrocefalia, com praticamente ausência de parênquima cerebral e a tomografia computadorizada (TC) evidenciou microcalcificações abundantes.

No primeiro trimestre, IgG de 10,14 (limiar: 10) e IgM negativa (Mãe Imune) No 5° dia de vida o resultado da sorologia para Toxoplasmose mostrou positiva IgM; 26,46 / IgG: 1031,7), comprovando TOXOPLASMOSE CONGÊNITA e iniciado o tratamento.

Curso Avançado de Ultrassonografia Pediátrica NEXUS 14-17 de março de 2019: Aspectos ultrassonográficos das infecções perinatais crônicas

Curso Avançado de Ultrassonografia Pediátrica NEXUS 14-17 de março de 2019: Aspectos ultrassonográficos das infecções perinatais crônicas

Paulo R. Margotto

As Infecções perinatais crônicas  podem causar: semelhantes tipos de neuropatias, através de:

-inflamação,

-infiltração de meninges  e estruturas vasculares,

-necrose do parênquima cerebral,

-proliferação reativa microglial e astroglial.

Citomegalia

                                   Toxoplasmose

                                   Rubéola

                                   Parvovírus

                                    Zika virus

                                    Meningite

                                    Candidíase

 

Novo método de inativação por calor a curto prazo do citomegalovírus (CMV) no leite materno: impacto na inativação do CMV, anticorpos contra CMV e atividades enzimáticas

Novo método de inativação por calor a curto prazo do citomegalovírus (CMV) no leite materno: impacto na inativação do CMV, anticorpos contra CMV e atividades enzimáticas

New short-term heat inactivation method of cytomegalovirus (CMV) in breast milk: impact on CMV inactivation, CMV antibodies and enzyme activities.Maschmann J, Müller D, Lazar K, Goelz R, Hamprecht K.Arch Dis Child Fetal Neonatal Ed. 2019 Feb 6. pii: fetalneonatal-2018-316117. doi: 10.1136/archdischild-2018-316117. [Epub ahead of print].PMID:30728181.Similar articles. Germany

Realizado por Paulo R. Margotto.

As experiências dos autores  demonstram que o curto prazo tratamento térmico por 5 s a uma temperatura de rampa de 62 ° C pode ser o melhor compromisso entre os objetivos concorrentes de Inativação do CMV de um lado, e preservação da atividade da enzima  e capacidade de ligação e neutralização do anticorpo CMV por outro lado. Para estar do lado muito seguro sobre inativação do CMV, temperaturas de 66 ° C e superiores devem ser usadas, embora os experimentos de tipo selvagem mostrassem Inativação do CMV além de 60 ° C por 5 s. No entanto, este estudo apenas fornece dados in vitro, mas estudos clínicos de inativação do CMV também foi realizada com sucesso a 62 ° C por 5 s, mesmo com quantidades de até 50 mL de leite materno por procedimento de pasteurização.  A máquina usada para nossos experimentos é comercialmente disponível e em uso clínico em vários níveis neonatais alemães de 3 unidades capazes de pasteurizar até 95 mL de leite materno por procedimento. Portanto, podemos apresentar evidências laboratoriais e clínicas para uma inativação de CMV de curto prazo suave e eficiente baseada em filme de leite método. Além disso, demonstramos o melhor do nosso conhecimento pela primeira vez que a pasteurização Holder destrói a atividade da enzima lipase em adição à ligação do CMV e neutralizando completamente o soro do leite, enquanto o procedimento rápido de inativação baseada em filme de leite é capaz de reduzir perda completa de atividades  fosfatase alcalina e lipase no leite materno, contribuindo para uma melhor digestão do leite e prevenção da transmissão do CMV via aleitamento materno.

Portanto

Um mínimo de 5 segundos acima de 60°C foi necessário para a inativação do CMV na m amostra do LM infectada por CMV-AD-169 e infectada do tipo selvagem. A lipase foi muito sensível ao calor (atividades de 54% a 55°C, 5% a 60°C e 2% a 65°C). A fosfatase alcalina apresentou atividades de 77%, 88% e 10%, respectivamente. Os anticorpos IgG CMV-p150 foram preservados a 62°C por 5 segundos.

 Os resultados do presente estudo  mostram que a pasteurização do leite humano  a curto prazo (62°C por 5 segundos) pode ser eficiente para a inativação do CMV e reduz a perda de atividades enzimáticas, assim como a ligação do CMV e anticorpos CMV funcionais.

O ZIKA VÍRUS INFECTA PROGENITORES DA CÓRTEX NEURAL HUMANA E ATENUA SEU CRESCIMENTO

O ZIKA VÍRUS INFECTA PROGENITORES DA CÓRTEX NEURAL HUMANA E ATENUA SEU CRESCIMENTO

Tang H, Hammack C, Ogden SC, Wen Z, Qian X, Li Y, Yao B, Shin J, Zhang F, Lee EM, Christian KM, Didier RA, Jin P, Song H, Ming GL. 
Cell Stem Cell. 2016 Mar 3.

Realizado por Paulo R. Margotto, Prof. de Neonatologia  (6a Série) da Faculdade de Medicina da Universidade Católica de Brasília)

O ZIKA VÍRUS INFECTA PROGENITORES DA CÓRTEX NEURAL HUMANA E ATENUA SEU CRESCIMENTO

O ZIKA VÍRUS INFECTA PROGENITORES DA CÓRTEX NEURAL HUMANA E ATENUA SEU CRESCIMENTO

Tang H, Hammack C, Ogden SC, Wen Z, Qian X, Li Y, Yao B, Shin J, Zhang F, Lee EM, Christian KM, Didier RA, Jin P, Song H, Ming GL. 
Cell Stem Cell. 2016 Mar 3

Realizado por Paulo R. Margotto, Prof. de Neonatologia  (6a Série) da Faculdade de Medicina da Universidade Católica de Brasília)