Categoria: Nutrição do Recém-nascido

Novo método de inativação por calor a curto prazo do citomegalovírus (CMV) no leite materno: impacto na inativação do CMV, anticorpos contra CMV e atividades enzimáticas

Novo método de inativação por calor a curto prazo do citomegalovírus (CMV) no leite materno: impacto na inativação do CMV, anticorpos contra CMV e atividades enzimáticas

New short-term heat inactivation method of cytomegalovirus (CMV) in breast milk: impact on CMV inactivation, CMV antibodies and enzyme activities.Maschmann J, Müller D, Lazar K, Goelz R, Hamprecht K.Arch Dis Child Fetal Neonatal Ed. 2019 Feb 6. pii: fetalneonatal-2018-316117. doi: 10.1136/archdischild-2018-316117. [Epub ahead of print].PMID:30728181.Similar articles. Germany

Realizado por Paulo R. Margotto.

As experiências dos autores  demonstram que o curto prazo tratamento térmico por 5 s a uma temperatura de rampa de 62 ° C pode ser o melhor compromisso entre os objetivos concorrentes de Inativação do CMV de um lado, e preservação da atividade da enzima  e capacidade de ligação e neutralização do anticorpo CMV por outro lado. Para estar do lado muito seguro sobre inativação do CMV, temperaturas de 66 ° C e superiores devem ser usadas, embora os experimentos de tipo selvagem mostrassem Inativação do CMV além de 60 ° C por 5 s. No entanto, este estudo apenas fornece dados in vitro, mas estudos clínicos de inativação do CMV também foi realizada com sucesso a 62 ° C por 5 s, mesmo com quantidades de até 50 mL de leite materno por procedimento de pasteurização.  A máquina usada para nossos experimentos é comercialmente disponível e em uso clínico em vários níveis neonatais alemães de 3 unidades capazes de pasteurizar até 95 mL de leite materno por procedimento. Portanto, podemos apresentar evidências laboratoriais e clínicas para uma inativação de CMV de curto prazo suave e eficiente baseada em filme de leite método. Além disso, demonstramos o melhor do nosso conhecimento pela primeira vez que a pasteurização Holder destrói a atividade da enzima lipase em adição à ligação do CMV e neutralizando completamente o soro do leite, enquanto o procedimento rápido de inativação baseada em filme de leite é capaz de reduzir perda completa de atividades  fosfatase alcalina e lipase no leite materno, contribuindo para uma melhor digestão do leite e prevenção da transmissão do CMV via aleitamento materno.

Portanto

Um mínimo de 5 segundos acima de 60°C foi necessário para a inativação do CMV na m amostra do LM infectada por CMV-AD-169 e infectada do tipo selvagem. A lipase foi muito sensível ao calor (atividades de 54% a 55°C, 5% a 60°C e 2% a 65°C). A fosfatase alcalina apresentou atividades de 77%, 88% e 10%, respectivamente. Os anticorpos IgG CMV-p150 foram preservados a 62°C por 5 segundos.

 Os resultados do presente estudo  mostram que a pasteurização do leite humano  a curto prazo (62°C por 5 segundos) pode ser eficiente para a inativação do CMV e reduz a perda de atividades enzimáticas, assim como a ligação do CMV e anticorpos CMV funcionais.

Monografia-Neonatologia (HMIB-2019) – Apresentação: Perfil calórico do leite humano doado em uma Maternidade de Brasília

Monografia-Neonatologia (HMIB-2019) – Apresentação: Perfil calórico do leite humano doado em uma Maternidade de Brasília

Déborah Carneiro Nunes de Lima.

  • No presente estudo notamos que há uma variabilidade enorme da quantidade de calorias nas amostras de leite pasteurizadas, sendo que 65% de todas amostras analisadas encontram-se dentro da faixa da normalidade esperada (acima de 580 kcal).
  • Também observamos que a maioria das doadoras é oriunda da rede privada, desde durante o pré-natal e um dos objetivos de intervenção seria o de sensibilizar um maior número de usuárias da rede pública, em especial do HMIB e vinculá-las ao nosso Banco de Leite.
  • Uma das propostas do presente trabalho é realizar a busca ativa das mães com amostras hipocalóricas para que haja um estímulo à boa alimentação e para melhor seguimento do crescimento e desenvolvimento dos seus filhos.
  • Este estudo propõe ainda que a avaliação do teor energético do leite humano seja realizada imediatamente antes da administração ao RN, uma vez que os processos de armazenamento e estocagem do leite pasteurizado fazem com que haja perdas calóricas significativas
PROTOCOLO PARA O USO DO LEITE HUMANO (FRESCO) NOS PREMATUROS EXTREMOS (<28 SEMANAS)

PROTOCOLO PARA O USO DO LEITE HUMANO (FRESCO) NOS PREMATUROS EXTREMOS (<28 SEMANAS)

Paulo R. Margotto -Unidade de Neonatologia do HMIB/SES/DF

Marta Rocha Moura -SES/HMIB

Liú Campello Infectologista – SES/ESCS

Felipe T. de M. Freitas – NCIH/HMIB

Carla Pacheco de Brito – Coordenadora de Neonatologia

Miriam Oliveira dos Santos – Coordenadora BLH SES/DF

Eliana Bicudo – Coordenadora de Infectologia SES/DF

André Albernaz Ferreira – GAD/DIASE/CATES/SAIS/SES

GEAI/DIASE/CATES/SAIS/SES

Fernanda Sena – GAD/DIASE

Jorge Antônio Chamon Júnior – GBM/LACEN/SVS/SES

Ana Célia dos Santos Brito – HRS-BLH

A experiência de amamentação em crianças com hérnia diafragmática congênita ou atresia de esôfago

A experiência de amamentação em crianças com hérnia diafragmática congênita ou atresia de esôfago

The experience of breastfeeding infants affected by congenital diaphragmatic hernia or esophageal atresia.Salvatori G, Foligno S, Massoud M, Piersigilli F, Bagolan P, Dotta A.Ital J Pediatr. 2018 Jul 3;44(1):75. doi: 10.1186/s13052-018-0509-6.PMID: 29970173.Free PMC Article.Similar articles. Artigo Livre!

Apresentação: Letícia Rodrigues de Moraes,R4 em Neonatologia do HMIB/SES/DF. Coordenação: Carlos Alberto Zaconeta.

A porcentagem de aleitamento materno exclusivo e complementar para crianças operadas para  atresia de esôfago (EA) e  hérnia diafragmática congênita (CDH) é baixa tanto durante a internação quanto após a alta hospitalar.  Estas taxas permanecem baixas após três meses de vida. Crianças com EA são amamentadas em menor frequência em comparação com aqueles com CDH.As principais barreiras à amamentação provavelmente estão relacionadas à cirurgia e ao curso perioperatório. Esse estudo mostra que é necessário melhorar as taxas de amamentação em recém-nascidos submetidos a cirurgia para CDH e EA já durante a hospitalização.

  • Um benefício adicional poderia ser alcançado, acompanhando também a expansão da “iniciativa hospital amigo da criança, dez passos” criado pela OMS para as UTINs [11, 12, 21], onde os bebês são hospitalizados após a cirurgia.
  • Aconselhamento pré-natal adequado, uma sala dedicada para ordenha da mama, método canguru, treinamento de enfermeiros e médicos e supervisão de consultores de lactação com certificação internacional  deveriam ser considerados padrões para os hospitais. Os autores também acreditam que seria útil apoiar a amamentação após a alta, seja com visitas clínicas e por meio de chamadas telefônicas.
Nutrição Enteral-2018

Nutrição Enteral-2018

Alessandra de Cássia Gonçalves Moreira, Paulo R. Margotto, Hélida Maia, Miza Vidigal, Erika Ibiapina, Ana Lúcia Moreira,  Emmanuelle S. Coutinho, Patrícia Cristina Monroe, Tayana T. de Almeida.

Capítulo do livro Assistência ao Recém-nascido de Risco, 4a Edição, 2019, em preparação

Tema Livre: (24o Congresso de Perinatologia, 2018): Impacto da oferta nutricional e do crescimento pós-natal sobre a displasia broncopulmonar em recém-nascidos prematuros extremos

Tema Livre: (24o Congresso de Perinatologia, 2018): Impacto da oferta nutricional e do crescimento pós-natal sobre a displasia broncopulmonar em recém-nascidos prematuros extremos

ALESSANDRA DE CÁSSIA GONÇALVES MOREIRA (ESCS);HELENA GEMAYEL MARQUES (ESCS);
REBECCA SANTANA ALONSO (ESCS)

24o Congresso de Perinatologia, Natal (RN), 26 a 29 de setembro de 2018

Os resultados obtidos estão em consonância com a literatura no que concerne a:
Correlação entre o menor aporte calórico e maior incidência do quadro de displasia broncopulmonar (BDP).
Maior aporte hídrico se correlacionou com a maior ocorrência de DBP.
Maior duração da nutrição parenteral teve relação com maior desenvolvimento de DBP.

Crescimento e marcadores bioquímicos de recém-nascidos prematuros até os seis meses de idade corrigida

Crescimento e marcadores bioquímicos de recém-nascidos prematuros até os seis meses de idade corrigida

 

Barreto GMS, Balbo SL, Rover MS  et al. J Human Growth Dev 208;28(1):18-26.

Crescimento e marcadores bioquímicos de recém- nascidos … – USP www.journals.usp.br/jhgd/article/download/138687/138681. Artigo Integral!

Apresentação:Letícia Rodrigues de Moraes. Coordenação: Miza Vidigal

Com o avanço tecnológico e científico, muitos recém-nascidos extremamente prematuros estão sobrevivendo, após passarem longo tempo na UTI Neonatal e sujeitas a várias complicações da própria prematuridade e dos procedimentos e manipulações a que são submetidas. Entre as complicações estão as que afetam o crescimento, um processo contínuo resultante da interação de fatores genéticos, hormonais, ambientais e nutricionais. As alterações no crescimento pós-natal podem levar ao retardo de crescimento e a problemas crônicos na infância, adolescência e vida adulta (obesidade, doenças cardiovasculares, hipertensão, Diabetes Melittus  tipo  2   e  dislipidemia, cujo conjunto se resume em Síndrome Metabólica (SM), sendo a resistência á insulina, a base para todas essas alterações.Esse quadro corrobora com a atual compreensão de que as doenças na fase adulta podem ser de origem fetal (a desnutrição intrauterina e o baixo peso ao nascer associados a alterações no crescimento pós-natal  são os predisponentes). Em um período de 1 ano e meio (2015-2016) os presentes autores avaliaram de forma prospectiva  o perfil metabólico de recém-nascidos prematuros após alta da UTI no primeiro ano de idade corrigida. Os autores relataram   que as concentrações  plasmáticas  de  triglicerídeos  e colesterol  foram  significativamente  diferentes (p<0,0001)   com   aumento   gradativo   nesse período, enquanto que a insulinemia reduziu no mesmo período de avaliação (p=0,024).A glicemia manteve-se estável neste período. A dinâmica  do  crescimento  do  recém-nascido prematuro é de aceleração máxima entre as 36-40 semanas de idade pós concepcionais, apresentando o maior catch-up, ou seja, maior velocidade de crescimento entre 24 a 36 meses, quando atingem percentis de normalidade nas curvas de referência. Os autores também relataram uma desaceleração do crescimento do perímero cefálico (PC), entre o primeiro e terceiro mês após a alta hospitalar com recuperação lenta até o sexto mês deidade corrigida, um fator preocupante. Elevadas concentrações de triglicerídeos em nascidos prematuros aumentam o risco do  desenvolvimento  de  doenças  cardiovasculares  no futuro, assim, deve se investir em ações que promovam nutrição adequada a essas crianças desde seu nascimento para minimizar os riscos de doenças crônicas futuras. Faz-se necessário o incentivo ao aleitamento materno que é um fator protetor contra a SM. No acompanhamento destes bebê prematuros faz-se necessário a avaliação do perfil lipídico, uma vez que são candidatos a maior risco de doenças cardiovasculares, diabetes e obesidade. O retardo do crescimento extrauterino (RCEU) nesses bebês prematuros é uma realidade.Nos links trouxemos relevantes informações a respeito da importância do conhecimento da Programação Nutricional do feto e recém-nascido (a importância do início precoce de adequadas ofertas de aminoácidos e lipídeos  já na primeira prescrição da nutrição parenteral, assim como o início precoce da nutrição enteral e não ter medo de  avançar (é essa que  faz o intestino crescer!). Ter em mente que tratamos “fetos fora do útero” Boher).Segundo Cooke R, todos os neonatologistas sabem nutrir o prematuro (e todos fazem de forma diferente!) e o resultado é  que quase 100% deixam a UTI com retardo do crescimento. A falta de nutrição em uma etapa crítica do desenvolvimento pode limitar o tamanho do cérebro, número de células, defeitos estruturais e complicações mais tardias que envolvem o desenvolvimento cognitivo (aprendizado, memória,), segundo Willian Ray. Uma das atribuições mais importantes do médico neonatologista é o gerenciamento nutricional individualizado no cuidado do recém-nascido. A nutrição precoce em bebês prematuros pode ser segura, eficaz e pode prevenir morbidade. O crescimento é importante, mas também precisamos considerar o neurodesenvolvimento a longo prazo e outras consequências.

Suporte nutricional para o bebê de extremo baixo peso: Implicações para mais que apenas crescimento (Nutrition Support for the ELBW Infant: Implications for More than Just Growth)

Suporte nutricional para o bebê de extremo baixo peso: Implicações para mais que apenas crescimento (Nutrition Support for the ELBW Infant: Implications for More than Just Growth)

Josef Neu. 11o Simpósio Internacional do Rio de Janeiro, 20-23 de junho de 2018

Atualmente , os  prematuros extremos estão sobrevivendo mais surfactante, técnicas ventilatórias, etc), mas estamos atrasados nossa capacidade de alimentá-los e parte  do problema está em nós mesmos e não  nos bebês. ´Há alguns  dogmas que  desenvolvemos na última técnica, como o atraso na oferta de aminoácidos e lipídios com aumentos muito graduais.Usamos muitas desculpas, sem base em evidências, para segurar a alimentação enteral, pois temos medo da nutrição enteral. ´Temos medo de iniciar precocemente lipídeos devido a: hiperbilirrubinemia, sepse, hipertensão pulmonar, doença pulmonar, doença hepática, trombocitopenia, risco de aumento dos triglicerídeos. 

É a nutrição enteral eu faz o intestino crescer. Em nutrição parenteral total sem nutrição enteral o intestino não cresce, além de aumentar a permeabilidade intestinal (aumenta o risco de infecção pelo aumento de translocação de bactérias) e de não aumentar os hormônios gastrintestinais. O crescimento é importante, mas também precisamos considerar o neurodesenvolvimento a longo prazo e outras consequências

CRESCIMENTO PÓS-NATAL DO PREMATURO: USO DE CURVAS

CRESCIMENTO PÓS-NATAL DO PREMATURO: USO DE CURVAS

Alessandra de Cássia Gonçalves Moreira

Capítulo do livro Assistência ao Recém-Nascido de Risco, Hospital Materno Infantil de Ensino/SES/DF, 2018, em Preparação.

Consequências da restrição do crescimento extrauterino

Fatores nutricionais que operam no início da vida exercem fortes efeitos sobre a fisiologia e o metabolismo na vida adulta. Existem dois mecanismos básicos para o surgimento de alterações transitórias ou permanentes, inclusive possíveis desfechos indesejados relacionados à desnutrição precoce:

  1. Plasticidade do desenvolvimento: o fenótipo inicial pode ser alterado por uma série de influências no ambiente. É o que acontece, por exemplo quando há macrossomia do filho de mãe diabética ou quando há adaptação chamada restrição do crescimento por falta de nutrientes no ambiente intrauterino.
  2. Programação do desenvolvimento: efeito duradouro e até vitalício sobre a estrutura e/ou função do organismo secundário a um estímulo ou insulto aplicado numa fase crítica ou sensível do desenvolvimento. Relação observada, por exemplo, entre a testosterona e o surgimento da genitália masculina externa.