Mês: março 2019

Diurético e Displasia broncopulmonar (uma droga off label) Análise usando Grandes Bases de Dados

Diurético e Displasia broncopulmonar (uma droga off label) Análise usando Grandes Bases de Dados

Off-Label Drugs in Neonatology: Analyses Using Large Data Bases.Jobe AH. J Pediatr. 2019 Feb 26. pii: S0022-3476(19)30126-X. doi: 10.1016/j.jpeds.2019.01.038. [Epub ahead of print] No abstract available. PMID: 30824166. Similar articles.

Realizado por Paulo R. Margotto.

Alan Jobe faz análise de um estudo  recente sobre o uso frequente, mas não aprovado, de furosemida para displasia broncopulmonar (BPD) que identificou que o uso prolongado pode diminuir a DBP, incluindo 37.000 bebês. Segundo Alan Jobe assim que o tamanho dos conjuntos de dados e o número de variáveis ​​aumentam, o potencial para significância estatística aumenta, mas relevância biológica é questionável. Claramente, não há consenso na comunidade neonatal sobre a eficácia ou segurança da furosemida para curto intervalo ou longo intervalo de uso e nenhuma boa informação sobre dose. Segundo Tin W, Wiswell T, de todas as terapias adjuntas no prematuro com DBP, a terapia diurética é uma das mais abusadas, sem evidência de benefícios substanciais

Nos complementos….

Quando há ampla variabilidade na prática clínica do uso de diurético na DBP e não existe um padrão verdadeiro é uma declaração sobre a falta de profundidade do nosso conhecimento nessa aplicação.

Antes do uso rotineiro de diuréticos sistêmicos na DBP recomendam-se estudos que demonstram efeitos a longo prazo, como sobrevivência, duração da oxigenação, dependência do ventilador e duração da internação, além do estudo das complicações (nefrocalcinose, persistência do canal arterial e alcalose metabólica).

Portanto:Á luz das evidências disponíveis, não há espaço para o seu uso na DBP, principalmente o uso de espironolactona como “poupadora de potássio” (ora se o néfron não responde à aldosterona, também não vai responder ao seu inibidor)

 

Homenagem da Equipe da Unidade Neonatal do HFA à Dra. Áurea Valença

Homenagem da Equipe da Unidade Neonatal do HFA à Dra. Áurea Valença

Marta David Rocha de Moura e Equipe Neonatal do Hospital das Forças Armadas (HFA)

  • No dia 15 de março de 2019, A Dra. Áurea Valença encerrou sua caminhada entre nós, deixando uma imensa lacuna, agora preenchida pela eterna Saudade de quem, como nunca, nos ensinou a exercer a Neonatologia: Ícone na Neonatologia de Brasília, uma das Pioneiras, Chefe da Neonatologia do Hospital das Forças Armadas desde 1976, o nosso reconhecimento pela CAPACIDADE DE LIDERANÇA com a sua Equipe, pela PONTUALIDADE, ASSIDUIDADE, ORGANIZAÇÃO, TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO E EXPERIÊNCIA e um ESMERADO RELACIONAMENTO COM OS PROFISSIONAIS na Unidade, além de ELEGÂNCIA e DEDICAÇÃO INCANSÁVEL NA AMAMENTAÇÃO
  • “Não sei se a vida é curta ou longa demais para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido se não tocarmos o coração das pessoas.
  • Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silêncio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.

E isso não é coisa do outro mundo.

                                                  É o que dá sentido à vida.

                                  É o que faz com que ela não seja curta, nem longa demais,

                 MAS QUE SEJA INTENSA, VERDADEIRA, PURA…ENQUANTO DURAR (Cora Coralina)

Discussão Clínica: Epinefrina endovenosa ou traqueal na reanimação neonatal; Reação Leucemóide; Síndrome Hipóxico-isquêmica (aspectos ultrassonográficos) e Protocolo de Hipotermia Terapêutica; Hipertensão pulmonar: Entendendo o uso de drogas vasoativas – Importância da disfunção ventricular; PCA: controvérsias no tratamento; Meningoencefalite tuberculosa

Discussão Clínica: Epinefrina endovenosa ou traqueal na reanimação neonatal; Reação Leucemóide; Síndrome Hipóxico-isquêmica (aspectos ultrassonográficos) e Protocolo de Hipotermia Terapêutica; Hipertensão pulmonar: Entendendo o uso de drogas vasoativas – Importância da disfunção ventricular; PCA: controvérsias no tratamento; Meningoencefalite tuberculosa

Paulo R. Margotto e Equipe Neonatal do HMIB/SES/DF

Editorial: Manejo antibiótico na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal: Lições Do Oxigênio

Editorial: Manejo antibiótico na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal: Lições Do Oxigênio


Antibiotic Stewardship in the Neonatal Intensive Care Unit: Lessons From Oxygen.
Cantey JBa, Hersh ALb. Pediatrics. 2019 Mar;143(3). pii: e20183902. doi: 10.1542/peds.2018-3902. No abstract available. PMID: 30819970. Similar articles.

Realizado por Paulo R. Margotto.

Antibioticoterapia empírica prolongada (>3 dias) no recém-nascido não infectado associa-se significativamente a enterocolite necrosante, displasia broncopulmonar, hemorragia intraventricular, sepse tardia, leucomalácia periventricular, retinopatia da prematuridade. As taxas atuais de prescrição de antibióticos na UTI Neonatal são inaceitavelmente altas. Os profissionais devem obter culturas apropriadas e iniciar antibioticoterapia empírico por um período mínimo de 24 a 48 horas antes da sepse pode ser confiavelmente excluída. Esta é a abordagem na expressiva maioria das UTI Neonatais com a antibioticoterapia empírica, a maioria da qual é desnecessária. Segundo, muitos bebês com bom estado recebem antibioticoterapia empírica inicial. Intervenções que são projetadas para mudar fundamentalmente o comportamento do médico na forma de prescrever são necessárias para ajudar a orientar a segurança e a observação seletiva sem antibióticos para certas populações, como prematuros de baixo risco que nascem por cesariana por indicações maternas sem trabalho de parto ou bebês de boa aparência que são expostos a corioamnionite.

Duração da Terapia Antibiótica Empírica Inicial e Resultados em Bebês de Muito Baixo Peso ao Nascer

Duração da Terapia Antibiótica Empírica Inicial e Resultados em Bebês de Muito Baixo Peso ao Nascer

Duration of Initial Empirical Antibiotic Therapy and Outcomes in Very Low Birth Weight Infants. Ting JY, Roberts A, Sherlock R, Ojah C, Cieslak Z, Dunn M, Barrington K, Yoon EW, Shah PS; Canadian Neonatal Network Investigators. Pediatrics. 2019 Mar;143(3). pii: e20182286. doi: 10.1542/peds.2018-2286. PMID: 30819968. Similar articles.

Realizado por Paul R. Margotto.

A antibioticoterapia empírica prolongada (>3 dias) no recém-nascido não infectado associa-se significativamente a enterocolite necrosante, displasia broncopulmonar, hemorragia intraventricular, sepse tardia, leucomalácia periventricular, retinopatia da prematuridade. As taxas atuais de prescrição de antibióticos na UTI Neonatal são inaceitavelmente altas. Os profissionais devem obter culturas apropriadas e iniciar antibioticoterapia empírico por um período mínimo de 24 a 48 horas antes da sepse pode ser confiavelmente excluída. Esta é a abordagem na expressiva maioria das UTI Neonatais com a antibioticoterapia empírica, a maioria da qual é desnecessária. Segundo, muitos bebês com bom estado recebem antibioticoterapia empírica inicial. Intervenções que são projetadas para mudar fundamentalmente o comportamento do médico na forma de prescrever são necessárias para ajudar a orientar a segurança e a observação seletiva sem antibióticos para certas populações, como prematuros de baixo risco que nascem por cesariana por indicações maternas sem trabalho de parto ou bebês de boa aparência que são expostos a corioamnionite

Curso Avançado de Ultrassonografia Pediátrica NEXUS 14-17 de março de 2019: Ultrassonografia nas Malformações Cerebrais

Curso Avançado de Ultrassonografia Pediátrica NEXUS 14-17 de março de 2019: Ultrassonografia nas Malformações Cerebrais

Paulo R. Margotto

Os recém-nascidos com grandes lesões cerebrais podem estar em grande risco de apresentarem desabilidade no neurodesenvolvimento.

A detecção precoce das grandes lesões pode alertar tanto aos clínicos como os pais e referendar para uma intervenção apropriada e precoce.

Vamos abordar  as principais:

1-AGENESIA DO SEPTO PELÚCIDO (DISPLASIA SEPTO-ÓTICA: SÍNDROME DE MORSIER)

      2-AGENESIA DO CORPO CALOSO

     3-MALFORMAÇÃO DE ARNOLD CHIARI

     4-COMPLEXO DANDY WALKER E AUMENTO DA CISTERNA MAGNA

     5-HOLOPROSENCEFALIA

    6-ESQUISENCEFALIA

    7-LESÕES CEREBELARES

    8-MALFORMAÇÃO DA VEIA DE GALENO

Curso Avançado de Ultrassonografia Pediátrica NEXUS 14-17 de março de 2019: Aspectos ultrassonográficos das infecções perinatais crônicas

Curso Avançado de Ultrassonografia Pediátrica NEXUS 14-17 de março de 2019: Aspectos ultrassonográficos das infecções perinatais crônicas

Paulo R. Margotto

As Infecções perinatais crônicas  podem causar: semelhantes tipos de neuropatias, através de:

-inflamação,

-infiltração de meninges  e estruturas vasculares,

-necrose do parênquima cerebral,

-proliferação reativa microglial e astroglial.

Citomegalia

                                   Toxoplasmose

                                   Rubéola

                                   Parvovírus

                                    Zika virus

                                    Meningite

                                    Candidíase

 

Monografia UTI Pediátrica (HMIB-2019): Estresse Moral e Cuidados Paliativos: Mito ou Realidade das Unidades de Terapia Intensiva Neonatal e Pediátrica

Monografia UTI Pediátrica (HMIB-2019): Estresse Moral e Cuidados Paliativos: Mito ou Realidade das Unidades de Terapia Intensiva Neonatal e Pediátrica

Pedro Henrique Silva de Almeida

A percepção sobre o estresse vivenciado pela equipe multiprofissional das Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica e Neonatal estudadas não deixa claro a sua correlação com cuidados paliativos.

A princípio os fatores como heterogeneidade no entendimento do conceito de cuidados paliativos, falta de especialistas na equipe de trabalho e local de trabalho do desenvolvimento das atividades do profissional parecem ser os principais fatores determinantes do estresse moral.

O estudo não deixa claro se o perfil dos profissionais e o estresse desenvolvido influenciam na aplicação de planos terapêuticos de cuidados paliativos e/ou manutenção desses..

Mais estudos são necessários para averiguar isoladamente as variáveis, sua correlação com estresse moral e respectivo impacto no comprometimento dos cuidados paliativos dentro das unidades de cuidados intensivos neonatais e pediátricos.

Estudos futuros se mostram necessários para melhor investigar as variáveis relacionadas a estresse moral, cuidados paliativos e correlacionar com as categorias profissionais que compõe uma Unidade de Terapia Intensiva. Por fim sugere se, também, de estudos que possam validar o instrumento desenvolvido nessa pesquisa.

 

Perfil de recém-nascidos de risco atendidos por enfermeiros em seguimento ambulatorial: estudo de coorte retrospectiva

Perfil de recém-nascidos de risco atendidos por enfermeiros em seguimento ambulatorial: estudo de coorte retrospectiva

Ludmylla de Oliviera Beleza, Laiane Medeiros Ribeiro, Rayanne Augusta Parente Paula, Laíse Escalianti Del Alamo Guarda, Gessica Borges Vieira, Kassandra Silva Falcão Costa.

Objetivo: analisar o perfil de coorte dos recém-nascidos de risco atendidos por enfermeiros em Ambulatório de Seguimento Multidisciplinar, com destaque ao tipo de alimentação e ao ganho ponderal, após a alta hospitalar. Método: coorte retrospectiva, população composta por recém‑nascidos de risco atendidos em período de 4 anos, dados procedentes de prontuário e relatório de atendimento, posteriormente exportados para o Programa R. As variáveis de desfecho foram: número da consulta com o enfermeiro, tipo de alimentação, ganho diário de peso e principais orientações. Houve a realização de estatística descritiva, distribuição de frequências e aplicação dos testes Mann-Whitney, Qui-Quadrado, Correlação de Spearman, Análise de Variância e Tukey, sendo significativo p<0,05. Resultados: foram analisados 882 atendimentos com 629 bebês e famílias. As frequências do aleitamento materno exclusivo e do ganho ponderal foram
aumentando com o passar das consultas. Os bebês que necessitaram de mais consultas e com menor ganho ponderal foram os com menores idade gestacional (p=0,001) e peso de nascimento (p=0,000), maior tempo de internação (p<0,005) e que possuíam diagnósticos relacionados à prematuridade extrema (p<0,05), dentre outros. Conclusão: verificou-se a importância do acompanhamento ambulatorial de recém-nascidos de risco pelo enfermeiro, especialmente na promoção do aleitamento materno e do crescimento saudável.