Categoria: Distúrbios Neurológicos

Desenvolvimento motor de prematuros avaliados pela Alberta Infant Motor Scale: artigo de revisão sistemática

Desenvolvimento motor de prematuros avaliados pela Alberta Infant Motor Scale: artigo de revisão sistemática

Motor development of preterm infants assessed by the Alberta Infant Motor Scale: systematic review article. Fuentefria RDN, Silveira RC, Procianoy RS.J Pediatr (Rio J). 2017 Jul – Aug;93(4):328-342. doi: 10.1016/j.jped.2017.03.003. Epub 2017 May 12. Review.PMID: 28506665. Free Article. Similar articles. Artigo Livre.

Apresentação: Gustavo Borela (R4 de eonatologia/HMIB/SESDF). Coordenação: Marta David Rocha de Moura

A maioria dos estudos analisados busca identificar diferenças no desenvolvimento motor amplo, por meio da AIMS, entre prematuros e crianças nascidas a termo, em variadas idades de avaliações. Pode-se afirmar que os estudos apontam inferioridade no desempenho motor dos prematuros nos primeiros 18 meses de ICo, seja por meio da análise comparativa com os dados da normativa canadense da Alberta Infant Motor Scale (AIMS) ou com os dados de um grupo controle de crianças nascidas a termo. A depender da idade da avaliação e das características da amostra, variado percentual de atraso motor entre os prematuros foi identificado. Baixa escolaridade e idade materna, bem como fatores relacionados à prematuridade, como menor peso ao nascer, a hemorragia peri/intraventricular  e a doença pulmonar crônica, estiveram associados com desfecho motor atípico na AIMS.

Levetiracetam versos fenitoína como tratamento de segunda linha do status epilepticus convulsivo em crianças (ConSEPT): ensaio de rótulo aberto, multicêntrico, randomizado e controlado

Levetiracetam versos fenitoína como tratamento de segunda linha do status epilepticus convulsivo em crianças (ConSEPT): ensaio de rótulo aberto, multicêntrico, randomizado e controlado

Levetiracetam versus phenytoin for second-line treatment of convulsive status epilepticus in hildren (ConSEPT): an open-label, multicentre, randomised controlled trial.
Dalziel SR, Borland ML, Furyk J, Bonisch M, Neutze J, Donath S, Francis KL, Sharpe C, Harvey AS, Davidson A, Craig S, Phillips N, George S, Rao A, Cheng N, Zhang M, Kochar A, Brabyn C, Oakley E, Babl FE; PREDICT research network.Lancet. 2019 Apr 17. pii: S0140-6736(19)30722-6. doi: 10.1016/S0140-6736(19)30722-6. Similar articles.

Apresentação: Gabriela Rabelo Cunha. Residente Medicina Intensiva Pediátrica- HMIB/SES/DF. Coordenação: Alexandre Peixoto Serafim.

Esse grande estudo da UTI Pediátrica, envolvendo 233 crianças de 6 meses a 16 anos mostrou que levetiracetam não é superior a fenitoína para tratamento de segunda linha no estado convulsivo epiléptico em crianças; semelhante grande estudo (286 crianças) realizado no Reino Unido mostrou semelhante resultado, no entanto os autores sugerem o levetiracetam como uma alternativa apropriada à fenitoína devido ao melhor perfil de segurança do levetiracetam (não induz apoptose neuronal como o fenobarbital e fenitoína). Nos complementos:nas convulsões neonatais, segundo Ahrens S et al [2019] o  uso de  levetiracetam tem aumentado de 1,4% para 14%, entre 2005 e 2014, sendo considerado o fármaco de segunda linha após fenobarbital; no entanto existe limitada evidência de alto nível  para orientar o tratamento das convulsões neonatais.

NeoBrain Brasil: I Congresso Internacional PBSF em Neuroproteção e Neuromonitorização Neonatal!

NeoBrain Brasil: I Congresso Internacional PBSF em Neuroproteção e Neuromonitorização Neonatal!

“É com imenso prazer que em conjunto com Guilherme Sant Anna anunciamos  o início das inscrições para o NeoBrain Brasil: I Congresso Internacional PBSF (Protecting Brains & Saving Futures: Protegendo Cérebros, Salvando Futuros) em Neuroproteção e Neuromonitorização Neonatal!

O evento ocorrerá no dia 8 e 9 de novembro, em São Paulo no World Trade Center.

Vamos fazer um congresso completamente focado no tema ASFIXIA PERINATAL.

São 9 professores internacionais e mais uma série de convidados nacionais que irão promover uma verdadeira imersão no tema!

Será um enorme prazer compartilhar experiência com cada um!

As inscrições estão abertas!!!”

Confira todas as informações no site! http://www.neobrainbrasil.com.br/

Fonte: Mensagem recebida do WhatsApp do Dr. Guilherme Sant`Anna

NEUROSSONOGRAFIA NEONATAL: Imagens do Prematuro

NEUROSSONOGRAFIA NEONATAL: Imagens do Prematuro


Neurosonography
Assessing the Premature Infant
Maller VV, Cohen HL. Pediatr Radiol. 2017 Aug;47(9):1031-1045. doi: 10.1007/s00247-017-3884-z. Epub 2017 Aug 4. Review.PMID: 28779189. Similar articles.

Realizado por Paulo R. Margotto

Esse estudo com excelentes qualidade das imagens, aborda a Anatomia Normal, hemorragia e isquemia do cérebro do prematuro. VALE A PENA CONFERIR, principalmente para os colegas que já fazem ou que pretendam realizar ultrassonografia craniana.

A neurossonografia demonstrou ser útil no diagnóstico do cérebro do prematuro. Bebês prematuros correm grande risco de apresentarem hemorragia intraventricular e leucomalácia periventricular, anormalidades importantes que afetam o resultado do desenvolvimento. Aqui serão apresentadas imagens, iniciando pela Anatomia e Pontos Chave para o diagnóstico dessas importantes anormalidades cerebrais.

Diagnóstico precoce de anormalidades permite esforços clínicos do Neonatologista para minimizar sequelas subsequentes. O acompanhamento ultrassonogragráfico dos achados anormais pode servir como indicador prognóstico para o resultado a longo prazo do neurodesenvolvimento.

As manifestações neurológicas da lesão no cérebro prematuro podem variar de defeitos cognitivos para os principais defeitos motores da paralisia cerebral.

 

Taxas de Hiperbilirrubinemia Neonatal Extrema e Kernicterus em Crianças e Aderência às Diretrizes Nacionais para Triagem, Diagnóstico e Tratamento na Suécia

Taxas de Hiperbilirrubinemia Neonatal Extrema e Kernicterus em Crianças e Aderência às Diretrizes Nacionais para Triagem, Diagnóstico e Tratamento na Suécia

J, Håkansson S, Ekéus C, Gustafson P, Norman M.JAMA Netw Open. 2019 Mar 1;2(3):e190858. doi: 10.1001/jamanetworkopen.2019.0858.PMID: 30901042.Similar articles. ARTIGO LIVRE!!!

Apresentação: R3 Neonatologia Tatiane Martins Barcelos. Coordenação: Dra Miza Vidigal

Os autores relataram maiores taxas  1,3/100.000 em relação a outros países Canadá de 0,5 a 1 e Noruega <0,5/100.000  e todos com bilirrubina sérica total entre 30-45mg%; 85% dos casos potencialmente evitáveis,  devido a não aderência às Diretrizes de cuidados pré-estabelecidos, incluindo a não aceitação das recomendações e resistência em realizar exsanguineotransfusões!

Um eEstudo de coorte de fentanil intranasal para tratamento da dor nos neonatos

Um eEstudo de coorte de fentanil intranasal para tratamento da dor nos neonatos

A cohort study of intranasal fentanyl for procedural pain management in neonates.McNair C, Graydon B, Taddio A.Paediatr Child Health. 2018 Dec;23(8):e170-e175. doi: 10.1093/pch/pxy060. Epub 2018 May 24.PMID: 30842699.Similar articles.

Apresentação: JOÃO PAULO S. CEZAR; Coordenação: DR. DIOGO PEDROSO

Esse pequeno estudo provê alguma evidência preliminar dos benefícios e riscos do fentanil intranasal na população estudada-32 semanas-1800g, na dose média de 1,3mcg/kg/dose, constituindo boa opção para analgesia quando a via EV está indisponível para procedimentos dolorosos de moderada a severa intensidade; nos links trouxe o estudo de Ku LC et al que tanto o midazolam (0,1 a 0,2 mg/kg/dose) quanto ao   fentanil (1-2mcg/kg/dose) foram em tolerados nessa coorte de prematuros e a termo necessitando de cuidados intensivos; no entanto são necessários estudos maiores.

Exposição precoce ao leite materno modifica a conectividade cerebral em bebês prematuros

Exposição precoce ao leite materno modifica a conectividade cerebral em bebês prematuros

Early breast milk exposure modifies brain connectivity in preterm infants.Blesa M, Sullivan G, Anblagan D, Telford EJ, Quigley AJ, Sparrow SA, Serag A, Semple SI, Bastin ME, Boardman JP.Neuroimage. 2019 Jan 1;184:431-439. doi: 10.1016/j.neuroimage.2018.09.045. Epub 2018 Sep 18.PMID:30240903.  Free Article.Similar articles. Artigo Livre!

Realizado por Paulo R. Margotto

Em 47 prematuros<33 semanas submetidos s ressonância magnética cerebral  complexa na idade equivalente a termo, foi demonstrado, em 46 bebês,  que as propriedades microestruturais dos tratos da substância branca e da conectividade estrutural cerebral são melhoradas em associação com a maior exposição ao leite materno. No Pediatric Academic Societies (PAS) Meeting 2019 (Apr 24 – May 01, 2019, Baltimore, Maryland, US, estudo mostrou que a   alimentação do prematuro com  leite materno durante o primeiro mês de vida parece estimular o crescimento cerebral mais robusto, com melhor resultado neurológico (≤ 32 semanas/ peso ao nascer < 1550g). Mães de prematuros devem receber apoio para fornecer leite materno enquanto seus bebês estiverem em cuidados neonatais porque isso pode dar a seus filhos a melhor chance de desenvolvimento cerebral saudável, segundo James Boardamn, Diretor do Laboratório de Pesquisa Jennifer Brown da Universidade de Edimburgo.

Apenas uma pequena percentagem de RN humanos deve correr o risco de ingerir fórmulas artificiais (Cockburn F)

Dexmedetomidina: uma solução para o dilema da dor e da agitação no recém-nascido pré-termo ventilado mecanicamente?

Dexmedetomidina: uma solução para o dilema da dor e da agitação no recém-nascido pré-termo ventilado mecanicamente?

Dexmedetomidine: A Solution to the Dilemma of Pain and Agitation in the Mechanically Ventilated Preterm Neonate?Rostas SE*.J Perinat Neonatal Nurs. 2017 Apr/Jun;31(2):104-108. doi:10.1097/JPN.0000000000000251. No abstract available.PMID: 28437301. Similar articles.

Apresentação:  João Paulo S. Cezar (R2 em Peiatria/HMIB/SES/DF). Coordenação: Diogo Pedroso.

  • A dexmedetomidina é promissora com base na literatura atualmente disponível em recém-nascidos, não só para ser eficaz no tratamento da dor e agitação no recém-nascido ventilado mecanicamente, mas também sem efeitos adversos clinicamente significativos.
  • A dexmedetomidina também possui o potencial de ser neuroprotetora em certos contextos.

No entanto…Dados mais robustos, com seguimento de longo prazo no desenvolvimento neurológico, são necessários para o uso de dexmedetomidina em recém-nascidos mecanicamente ventilados.

  • A dexmedetomidina (PrecedexR) tem efeito sedativo e ansiolítico e preserva o drive e mecânica respiratória. O seus efeitos analgésico são decorrentes da sua atividade no corno dorsal da medula espinhal. Estudo multicêntrico em fase II/III em neonatos≥28 semanas mostrou que a dose inicial para RN poderia estar entre 0,1-0,2µg/kg com manutenção de 0,2-0,3µg/kg/h (sempre menores doses para os pré-termos).
  • Na nossa Unidade Neonatal temos usado o PrecedexR) em situações que necessitam de altas doses de midazolam (já é do nosso conhecimento dos graves problemas neurotóxicos do midazolam nos prematuros!!!) na dose de 0,3 µ /kg/hora (1 ampola-2 ml-200 µg: diluir 2 ml em 48 ml de soro fisiológico e fazer 0,3ml/hora) em situações específica, como a necessidade de altas doses de midazolam na sedação.
  • N entanto, sabemos que ainda são necessários mais estudos, principalmente nos bebês abaixo de 1000g