Categoria: Distúrbios Neurológicos

Acompanhamento do Recém-Nascido Termo após Encefalopatia hipóxico-isquêmica

Acompanhamento do Recém-Nascido Termo após Encefalopatia hipóxico-isquêmica

Follow-up of the term infant after hypoxicischemic encephalopathy Follow-up of the term infant after hypoxicischemic encephalopathy.Robertson CM, Perlman M.Paediatr Child Health. 2006 May;11(5):278-82.PMID: 19030289 Free PMC article. Artigo Livre!

Apresentação: Lays S. P. Pimentel – Residente em Neonatologia. Coordenação: Carlos Zaconeta.

 

Objetivos do acompanhamento: detectar comprometimento ou normalidade, manter os pais informados, promover a intervenção precoce e detectar mudanças nos resultados.

Objetivos do artigo: descrever um esquema de acompanhamento para recém-nascidos com encefalopatia hipóxico-isquêmica (EHI) e explicar sua base.

A base depende do diagnóstico preciso da EHI neonatal, sendo necessário para identificar, categorizar e selecionar os pacientes para acompanhamento.

Foi resumida a literatura sobre predição de desfecho nos primeiros dias após o nascimento, o que é necessário para fornecer informações às famílias e individualizar o acompanhamento.

Com base no prognóstico de recém-nascidos adequadamente categorizados, sugere-se um plano de acompanhamento e intervenção precoce.

IMPORTÂNCIA DO ULTRASSOM (US) TRANSFONTANELAR NA UTI NEONATAL

IMPORTÂNCIA DO ULTRASSOM (US) TRANSFONTANELAR NA UTI NEONATAL

Paulo R. Margotto.

Live do Hospital Brasília, REDE DASA.

Brasília 13 de junho de 2022.

OBJETIVO: reflexão  do porque você solicitou o US transfontanelar.

“A enorme massa do saber quantificável e tecnicamente utilizável não passa de veneno se for privada da força libertadora da reflexão” (eu acrescentaria: do compartilhamento)

J. Adorno

NEUROIMAGEM NA UTI NEONATAL: Protocolo em Aprovação

NEUROIMAGEM NA UTI NEONATAL: Protocolo em Aprovação

Paulo R. Margotto, Sérgio Henrique Veiga, Joseleide G. Castro

                                                    ULTRASSOM CRANIANO

 -O ultrassom craniano (USc), QUANDO SERIADO, fornece informações críticas sobre:

-a lesão cerebral em bebês prematuros e

-sua evolução ao longo do tempo

O USc seriado (semanal nos pré-termos extremos e sempre na idade equivalente a termo) permite:

-detectar cistos na substância branca tão pequenos quanto 2mm!

– permite a avaliação do crescimento do cérebro, um importante preditor do resultado do neurodesenvolvimento (importância de ser realizado na idade equivalente a termo)

-documentar a incidência da hemorragia na matriz germinativa e permite a identificação de fatores de risco pré-natais e perinatais e tempo da lesão,

-identificar lesões cerebelares 4mm pela mastóide (os <4 mm, somente pela ressonância magnética)

-acompanhar a progressão da dilatação ventricular pós-hemorrágica antes dos sintomas clínicos,

-diagnosticar infartos isquêmico e hemorrágico cerebrais

-identificar a LPV cística e

-identificar sinais subsequentes de perda de volume da substância branca cerebral (ventriculomegalia com bordas ventriculares irregulares, afastamento da cisura interhemisférica).

Ao combinarmos o reconhecimento dessas formas de lesão cerebral com avaliação do crescimento do cérebro na idade equivalente termo por meio de medidas quantitativas, podemos melhorar a capacidade preditiva da ultrassonografia craniana

 

NEUROSSONOGRAFIA NEONATAL- Compartilhando imagens: ABSCESSO CEREBRAL

NEUROSSONOGRAFIA NEONATAL- Compartilhando imagens: ABSCESSO CEREBRAL

Paulo R. Margotto.

Trata-se de um lactente de 4 meses de vida, ex-prematuro de 28 semanas e 4 dias (reanimação  ao nascer, surfactante,  sepse precoce, apneias e assistência ventilatória não invasiva).

Ultrassom transfontanelar com 30 dias, sem anormalidades. Ecocardiograma (13 dias) normal. Fundo de olho (2 meses) normal. Hemoculturas mostraram  Staphylococcus  haemophyticus, sensível  à vancomicina e linezolida, Klebisiella pneumoniae/Enterobacter cloacae.

Há 15 dias mãe relata aumento do crânio, porém com bom estado geral e amamentando. Há 10 dias, febre (38,8º C), quando procurou atendimento ambulatorial , sendo iniciado amoxacilina (sem relato de dose). No 6º dia da medicação, voltou a apresentar febre, sendo levado ao atendimento médico, quando foram coletados exames (leucocitose de 30.000) e EAS normal. Iniciado ceftriaxona (100mg/kg/dia).

Dois dias após, vômitos, sonolência, fontanela abaulada, sendo realizado TC de crânio (1/4) que mostrou extensa área hipodensa e com efeito expansivo acometendo grande parte do lobo frontal direito, região insular, núcleo capsular à direita, além de comprometimento ventricular. O ceftriaxona foi mantido. Perímetro cefálico de 40 cm.

Avaliado pela neurocirurgia que fez punção ventricular de alívio, sendo retirado 40 ml de LCR (citobioquímica compatível com infecção do SNC).    

O cuidado mãe canguru teve um efeito protetor no volume das estruturas cerebrais em adultos jovens nascidos prematuros

O cuidado mãe canguru teve um efeito protetor no volume das estruturas cerebrais em adultos jovens nascidos prematuros

Kangaroo mother care had a protective effect on the volume of brain structures in young adults born preterm.Charpak N, Tessier R, Ruiz JG, Uriza F, Hernandez JT, Cortes D, Montealegre-Pomar A.Acta Paediatr. 2022 May;111(5):1004-1014. doi: 10.1111/apa.16265. Epub 2022 Feb 1.PMID: 35067976 Clinical Trial. Artigo Livre!

Realizado por Paulo R. Margotto.

Este foi um estudo de acompanhamento de longo prazo de um estudo controlado randomizado (ECR) realizado em Bogotá, Colômbia, entre 1993 e 1996. As variáveis de interesse nos resultados  aos 20 anos de idade foram os volumes cerebrais da substância cinzenta e branca e organização da substância branca, conforme determinado por anisotropia fracionada. A duração do cuidado mãe canguru em dias foi usada para determinar se havia uma relação dose-resposta entre a duração do cuidado canguru e as variáveis ​​de resultado. O grupo cuidado mãe canguru apresentou maiores volumes de substância cinzenta total e substância cinzenta cortical e substância cinzenta subcortical nos núcleos estriado, caudado e putamen. Com relação à substância branca, o grupo cuidado canguru apresentou um volume significativamente maior de tratos corticoespinhais. Interessante:  volume de substância cinzenta subcortical total aumentou 0,15 mm3 por dia de cuidado mãe canguru, assim como volume total do núcleo caudado, putamen e núcleo accumbens (aumentou 0,19 mm) e o volume cerebelar (aumentou 0,16 mm3) por dia de cuidado mãe canguru,  após ajustes. Esses achados indicaram uma relação dose-resposta entre a duração do cuidado mãe canguru e os efeitos neuroprotetores. Durante o cuidado mãe canguru, o útero da mãe é substituído pelos corpos dos pais. Assim, manter o bebê em posição pele a pele pode potencializar o desenvolvimento neurobiologicamente programado do cérebro durante os últimos meses de gestação, incluindo a maturação do cérebro

Administração de Nutrição Parenteral durante a Hipotermia Terapêutica: um estudo observacional em nível populacional usando dados coletados rotineiramente no Banco de Dados Nacional de Pesquisa Neonatal

Administração de Nutrição Parenteral durante a Hipotermia Terapêutica: um estudo observacional em nível populacional usando dados coletados rotineiramente no Banco de Dados Nacional de Pesquisa Neonatal

Administration of parenteral nutrition during therapeutic hypothermia: a population level observational study using routinely collected data held in the National Neonatal Research Database. Gale C, Jeyakumaran D, Longford N, Battersby C, Ojha S, Oughham K, Dorling J.Arch Dis Child Fetal Neonatal Ed. 2021 Nov;106(6):608-613. doi: 10.1136/archdischild-2020-321299. Epub 2021 May 5.PMID: 33952628 Free PMC article. Artigo Livre!

Este é um estudo do Reino Unido de coorte retrospectivo utilizando dados clínicos registrados no banco de dados nacional de pesquisa neonatal, aplicando a metodologia do escore de propensão para formar subgrupos pareados de bebês com encefalopatia hipóxico-isquêmica  com características semelhantes que receberam ou não nutrição parenteral (NP) durante hipotermia terapêutica. O emparelhamento de propensão foi usado para formar dois subgrupos de 1240 bebês com características de base  semelhantes para análises de comparação ( bebês >36 semanas que receberam hipotermia terapêutica (HT) por 3 dias ou que morreram 3 dias após a HT).Os autores mostraram que a infecção da corrente sanguínea confirmada por cultura e a sobrevivência foram ambas maiores em bebês que receberam NP. A incidência de enterocolite necrosante (ECN) foi  semelhante em bebês que receberam NP e aqueles que não receberam. Embora os benefícios da NP nessa população  sejam limitadas, um benefício é a melhora do crescimento cerebral, reparo e consequente neurodesenvolvimento (a nutrição suplementar após lesão cerebral mostra-se promissora, embora sejam necessários mais estudos nesse sentido). O uso de NP é relativamente comum em bebês que estão em hipotermia terapêutica e parece estar aumentando (no Reino Unido, 1 de 4 bebês). Nos complementos, quanto á nutrição enteral:o grande temor é o aumento ECN nesses bebês em HT. Os estudos mostram que a nutrição enteral durante a HT tiveram menor tempo de duração da NP, no tempo para receber dieta oral plena, menor hospitalização, SEM AUMENTO DE ECN (sabe-se que a hipotermia é protetora contra a lesão de reperfusão da isquemia intestinal!) e inclusive estudos recentes estão demonstrando benefícios do uso da hipotermia leve (35,5 graus até por 48 horas) no tratamento da ECN. A  hipotermia pode modular a inflamação! Mais da metade das Unidades Neonatais pesquisadas iniciam a alimentação enteral durante a TH. A nutrição enteral, principalmente com o leite materno, pode realmente desempenhar um papel benéfico, influenciando a integridade estrutural e funcional do intestino, reduzindo as respostas inflamatórias sistêmicas e promovendo a proliferação da diversidade microbiana intestinal. Dados disponíveis recentes indicam que a introdução incremental de leite, idealmente com leite materno, em neonatos em hipotermia terapêutica parece segura e pode ser benéfica para os resultados medidos até a alta da Unidade Neonatal (menos infecção tardia, maior sobrevida e maiores taxas de aleitamento materno). A falta de fornecimento imediato de nutrientes após eventos hipóxico-isquêmicos pode piorar ainda mais as lesões cerebrais progressivas. Mais tarde, os déficits de nutrientes também podem influenciar a fase terciária da lesão, durante a qual ocorrem a neurogênese e a angiogênese, e que é dependente do suporte trófico ideal. O fornecimento adequado de energia, por via enteral ou parenteral, é crucial durante um período de alta vulnerabilidade cerebral gerada pela falha secundária de energia. Na Unidade de Neonatologia do HMIB/SES/DF  iniciamos  NP no 2º  dia de vida, após a estabilização de função renal e eletrólitos e Nutrição enteral com leite materno se RN clinicamente estável.

 

 

 

NEUROSSONOGRAFIA NEONATAL – Compartilhando imagens: Encefalopatia hipóxico-isquêmica (EHI) Grave -Sinal das 4 Colunas.

NEUROSSONOGRAFIA NEONATAL – Compartilhando imagens: Encefalopatia hipóxico-isquêmica (EHI) Grave -Sinal das 4 Colunas.

Paulo R. Margotto.

Relatamos um caso grave de EHI grave com discussão, cujo ultrassom craniano com 14 horas de vida mostrou grave lesão nos núcleos da base e tálamo caracterizando o Sinal das 4 Colunas no plano coronal, causada pela moderada ou severa hiperecogenicidade do tálamo e putamen, além de fluxo sanguíneo reverso (IR>1), um sinal de morte encefálica.

Defeitos Cardíacos Congênitos em lactentes de mãe diabética: uma experiência de Centro único

Defeitos Cardíacos Congênitos em lactentes de mãe diabética: uma experiência de Centro único

CONGENITAL HEART DEFECTS IN INFANTS BORN TO …

Muhammad Shamaoon , Zunaira , Muhammad Ahsan , Tehmina Maqbool , Rabia Aslam , Ambreen Yaseen.

Professional Med J 2020;27(5):950-956

Apresentação: Lays S. Piantino Pimentel – Residente de Neonatologia. Coordenação: Marta David Rocha de Moura

Nos complementos (Paulo R. Margotto): Entendendo o mecanismo das malformações nos bebês de mães diabéticas, Malformações cerebrais e Síndrome de Regressão Caudal.

O sistema cardiovascular juntamente com outros sistemas do corpo dos neonatos é afetado em cerca de 50% dos neonatos filhos de mães diabéticas. Recomenda-se o diagnóstico precoce da cardiopatia congênita por meio de ecocardiograma de rastreamento para morbimortalidade. Quanto mais precocemente detectar as lesões cardíacas, mais fácil será o manejo desses pacientes e complicações associadas, prevenindo assim a morbidade e melhorando a sobrevida.

NEUROSSONOGRAFIA NEONATAL- Compartilhando imagens ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL HEMORRÁGICO

NEUROSSONOGRAFIA NEONATAL- Compartilhando imagens ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL HEMORRÁGICO

Paulo R. Margotto.

São 2 casos, sendo um de Divinópolis enviado pelo Dr. Júlio César Veloso. Em ambos os casos, recém-nascidos a termo, convulsões nas primeiras 24 horas de vida, sem histórias perinatais de risco para sangramento. Foram submetidas, além da ultrassonografia transfontanelar, à tomografia de crânio e ressonância magnética, não sendo demonstradas malformações vasculares (pode estar presente na metade dos casos relatados!) pela angiotomografia e angiorressonância magnética de crânio tanto arterial como venosa. Também não identificadas alterações laboratoriais hematológicas, incluindo estudo genético em um dos casos. O AVC Hemorrágico Neonatal é diagnosticado em um recém-nascido com acúmulo focal de sangue no parênquima cerebral (confirmado por autópsia ou imagem) com ou sem sangue intraventricular ou subaracnoide. O lobo temporal é a localização mais comum para o AVC Hemorrágico Neonatal idiopático A literatura tem demonstrado que a maioria ocorre em RN a termo, 65% cursam com convulsões 67 a 75% são idiopáticos. Segunda Donna Ferriero, a apneia pode ser um sinal de convulsão subclínica. É importante que se tenha pelo menos um ultrassom craniano e se os achados do ultrassom estiverem confusos, faça ressonância magnética. Está indicado também  fazer o EEG de amplitude integrada para documentar a convulsão. A boa notícia, melhor de todas que podemos dar aos pais: a taxa de recorrência em crianças com AVC neonatal é de <1% comparado com taxa de AVC na infância que é 25 a 30%. Mais promissoras são as novas abordagens pelas quais a Plasticidade potente do cérebro em desenvolvimento pode ser aproveitada para melhorar o neurodesenvolvimento

Trombose Venosa Cerebral Neonatal após Infecção Materna por SARS-CoV-2 na Gravidez

Trombose Venosa Cerebral Neonatal após Infecção Materna por SARS-CoV-2 na Gravidez

Neonatal Cerebral Venous Thrombosis following Maternal SARS-CoV-2 Infection in Pregnancy. Campi F, Longo D, Bersani I, Savarese I, Lucignani G, Haass C, Paolino MC, Vadalà S, De Liso P, Di Capua M, Luciani M, Esposito G, Amante PG, Vigevano F, Dotta A.Neonatology. 2022;119(2):268-272. doi: 10.1159/000520537. Epub 2022 Feb 25.PMID: 35220305 Free article. Artigo Livre!

Realizado por Paulo R. Margotto.

Uma possível consequência da infecção por coronavírus 2 da síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV-2) é o desenvolvimento de um estado trombofílico exacerbado e a trombose venosa cerebral (TVC) é uma complicação rara, mas possível, da infecção por SARS-CoV-2 relatada tanto em adultos e em crianças. O presente relato de caso descreve o curso clínico de um recém-nascido a termo com TVC estendida de origem incerta, cuja mãe desenvolveu infecção por SARS-CoV-2 durante o terceiro trimestre de gravidez. Especulamos que o estado pró-trombótico induzido pela infecção materna por SARS-CoV-2 pode ter desempenhado um papel fisiopatológico no desenvolvimento dessa complicação neonatal grave. Mais investigações são necessárias para confirmar tal hipótese.