Categoria: Distúrbios Respiratórios

Sedação durante a terapia com surfactante minimamente invasiva : um ensaio clínico randomizado

Sedação durante a terapia com surfactante minimamente invasiva : um ensaio clínico randomizado

Sedation during minimal invasive surfactant therapy:a randomised controlled trial.Dekker J, Lopriore E, van Zanten HA, Tan RNGB, Hooper SB, Te Pas AB.Arch Dis Child Fetal Neonatal Ed. 2019 Jul;104(4):F378-F383. doi: 10.1136/archdischild-2018-315015. Epub 2018 Aug 1.PMID: 30068669.Similar articles.

Foram analisados 78 lactentes, dos quais 42 no grupo sedado e 36 no grupo não sedado submetidos à técnica de administração do surfactante minimamente invasivo: a incidência de dessaturação foi significativamente maior no grupo sedado (38/42 (91%) vs 25/36 (69%), p = 0,023) e mais crianças no grupo sedado necessitaram de nIMV durante a técnica (39/42 (93%) vs 17/36 (47%), p <0,001); consultando o Dr. Peter Dargaville, Austrália, nos informou que não indica sedação durante  a administração minimamente invasiva do surfactante, pois para  obter o máximo de entrega de surfactante usando essa técnica, é melhor que a criança esteja respirando espontaneamente com uma glote funcional, apesar de  que é uma das grandes questões da administração do surfactante pelo cateter fino; no entanto, afirma que   a fim de ser capaz de fornecer surfactante por essa técnica  sem pré-medicação sedativa, é preciso haver uma abordagem realmente boa para tornar o procedimento o mais confortável possível para o bebê; outros autores informam que evitar o uso de narcóticos não parece ter sido associada a nenhum efeito deletério de curto prazo  e que nessa técnica de administração minimamente invasiva de surfactante, a respiração espontânea desempenha um papel importante na distribuição do surfactante pulmonar, de modo que a redução do esforço respiratório pelos narcóticos pode ser desvantajosa para os prematuros.

 

Segurança da administração intratraqueal de células tronco derivadas do sangue do cordão umbilical do cordão umbilical humano em prematuros de extremo baixo peso ao nascer

Segurança da administração intratraqueal de células tronco derivadas do sangue do cordão umbilical do cordão umbilical humano em prematuros de extremo baixo peso ao nascer

Safety of Intratracheal Administration of Human Umbilical Cord Blood Derived Mesenchymal Stromal Cells in Extremely Low Birth Weight Preterm Infants.Powell SB, Silvestri JM. J Pediatr. 2019 Jul;210:209-213.e2. doi: 10.1016/j.jpeds.2019.02.029. Epub 2019 Apr 13. PMID: 30992220. Similar articles.

Realizado por Paulo R. Margotto

Eficácia comparativa e segurança da cafeína e aminofilina para apneia da prematuridade em neonatos prematuros (≤34 semanas) : ensaio controlado randomizado

Eficácia comparativa e segurança da cafeína e aminofilina para apneia da prematuridade em neonatos prematuros (≤34 semanas) : ensaio controlado randomizado

Comparative Efficacy and Safety of Caffeine and Aminophylline for Apnea of Prematurity in Preterm (≤34 weeks) Neonates: A Randomized Controlled Trial. Shivakumar M, Jayashree P, Najih M, Lewis LES, Bhat Y R, Kamath A, Shashikala -. Indian Pediatr. 2017 Apr 15;54(4):279-283.PMID: Free Article.Similar articles. Artigo Livre

Apresentação:Daniela Megumi – R4 Neonatologia – HMIB. Coordenação: Dra Marta Rocha e Dr. Paulo R. Margotto.

◦Tanto a cafeína como a aminofilina são igualmente eficazes na redução das apneias.

◦ Talvez mais pesquisas devam ser realizadas para comparar a segurança e eficácia das metilxantinas nos RNs AIG e PIG separadamente.

◦Sabendo que a taquicardia é proeminentemente vista em bebês tratados com aminofilina, a otimização da dosagem de aminofilina pode ser tentada para a população prematura em países em desenvolvimento.

◦O uso de aminofilina pode ser continuada sob supervisão rigorosa quando em situação de pobres recursos como na Índia.

Nos complementos, a Trajetória da Cafeína na Neonatologia nos últimos 13 anos, com o estudo da Rede Canadense de Neonatologia que mostrou que nos bebês<29 semanas, o uso precoce da cafeína [primeiros 2 dias de vida] associou-se com significante menor chance de deficiente neurodesenvolvimento aos 18-24 meses de idade corrigida.

Diretrizes Europeias de Consenso sobre o Manejo da Síndrome do Desconforto Respiratório – Atualização de 2019

Diretrizes Europeias de Consenso sobre o Manejo da Síndrome do Desconforto Respiratório – Atualização de 2019

European Consensus Guidelines on the Management of Respiratory Distress Syndrome – 2019 Update.Sweet DG, Carnielli V, Greisen G, Hallman M, Ozek E, Te Pas A, Plavka R, Roehr CC, Saugstad OD, Simeoni U, Speer CP, Vento M, Visser GHA, Halliday HL.Neonatology. 2019 Apr 11;115(4):432-451. doi: 10.1159/000499361. [Epub ahead of print].PMID: 30974433. Artigo Livre.

Apresentação: Milena Pires (R4 em Neonatologia-HMIB/SES/DF). Coordenação: Marta David Rocha de Moura

Atrasar o clampeamento do cordão por pelo menos 1 minuto e considerar a ordenha do cordão em situações de emergência; priorizar o uso de CPAP nasal, como modalidade primária,  com vantagem adicional com o uso de CPAP em selo d´agua; ao usar a ventilação mecânica (VM), fazê-lo, usar a ventilação direcionada a volume; manter a Saturação de oxigênio entre  90-94% com limites  de alarme entre 89-95%; a cafeína deve ser usada para extubação e naqueles bebês   com alto risco de necessitar de VM; considera o uso de budesonida inalatória nos bebês de alto risco de displasia broncopulmonar (embora sem significância, a mortalidade no grupo da budesonida foi maior!); as evidências não apóiam o uso de fentanil e midazolam de rotina nos bebês ventilados; tolerância permissiva a PCA é uma estratégia que está sendo estudada em ensaios clínicos; o uso de NOi nos prematuros deve ser feita com cautela).Muito desses conhecimentos foram disseminados entre nós pelo Dr. Guilherme Sant´Anna (Canadá)!

Sessão de Anatomia Clínica: Hemorragia Pulmonar / Hematoma Subdural

Sessão de Anatomia Clínica: Hemorragia Pulmonar / Hematoma Subdural

Maria Eduarda Canelas de Castro. Residente  do 2ºano de Neonatologia do HMIB/SES/DF

Coordenação: Paulo R. Margotto, Marta D. Rocha de Moura, Patologista: Telma Pereira

Trata-se de um bebê de 34 semanas sem parto traumático, que viveu por 18 horas (possivelmente o quadro hemorrágico se deveu à vasculite que ocorre na patologia da sífilis congênita foi o desencadeante do mecanismo que levou à coagulopatia de consumo; também discutimos sobre o pH eucapnico, ou seja, o pH corrigido excluindo o componente respiratório do metabólico, a partir do estudo francês de Racinet C, de 2013:basta adicionar 0,08 unidades ao pH por excedente de 10mmHg da PaCO2 comparativamente ao valor normal no recém-nascido de 50mmHg).

Exposição ao mecônio e risco de autismo

Exposição ao mecônio e risco de autismo

Meconium exposure and autism riskMiller KM, Xing G, Walker CK. J Perinatol. 2017 Feb;37(2):203-207. doi: 10.1038/jp.2016.200. Epub 2016 Nov 3. PMID: 7809298. Free PMC Article. Similar articles

Apresentação:  Bárbara Stephane de Medeiros Jerônimo, Marine Gontijo Freitas, Henrique Freitas Araújo, Paulo R. Margotto.

O distúrbio do espectro autista (DEA) é um conjunto de condições neurológicas crônicas caracterizadas por déficits persistentes na comunicação social e padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses ou atividades que se manifestam na primeira infância e prejudicam a função. Nas últimas três décadas, a incidência de autismo aumentou mais de 10 vezes  e os estudos mais recentes mostram um aumento de 30% nos últimos 2 anos, com uma incidência atual de 1 em 68. Os presentes autores analisaram 9.945.896 crianças nascidas na Califórnia entre 1991e 2008, das quais 47277 foram diagnosticadas com autismo.Nesta análise, a variável preditora foi a exposição meconial com dois níveis de gravidade, Síndrome de Aspiração Meconial (SAM) e Líquido amniótico tinto de mecônio (LATM). A exposição fetal ao LATM foi associada a um risco aumentado de 18% de ser diagnosticado com autismo em análises de regressão logística controlando  os confundidores (risco relativo ajustado [aRR] 1,18, intervalo de confiança de 95% [IC] 1,12 a 1,25), com  ligeiro aumento no risco de autismo que não conseguiu alcançar significância entre as crianças diagnosticadas com SAM (aRR 1. 08, IC 95%: 0,98 a 1,20). Em conjunto, houve um risco aumentado de 16% de ser diagnosticado com autismo em crianças com LATM ou SAM (aRR 1,16, IC 95% 1,10 a 1,22). Este estudo é único ao focar apenas na relação da exposição meconial e do autismo e em seus confundidores. A falta de relação entre  dose resposta em SAM e LATM e autismo suscitam hipóteses que não é o mecônio que leva ao dano neurológico, mas algum estressor que também leva a eliminação de mecônio (insultos sutis, hipoxia leve intermitente, podem levar ao trauma celular e a liberação de mecônio, sendo difíceis de serem detectados e tratados, podendo levar à consequências no neurodesenvolvimento). A hipoxia, dependente da dose e duração,  retarda a maturação dos neurônios GABAérgicos do córtex cerebral, levando à desrregulação neuronal(crianças com DEA possuem crescimento neuronal desorganizado, com muitas ou poucas conexões entre as diversas regiões do cérebro). Os presentes resultados atribuem o  papel do mecônio como uma sentinela, tanto para adversidade in útero como para o aumento do risco de autismo (este pequeno risco, quando ampliado em toda a população, pode ter um impacto substancial e justificar a revisão dos esforços de prevenção originalmente concebidos para limitar os efeitos adversos evidentes a curto prazo. Com certeza a elucidação dos mecanismos moleculares subjacentes a estressores clínicos específicos que promovem a passagem de mecônio no útero servirá para focalizar as estratégias de prevenção primária. Nos links, entre os fatores associados com screening positivo para autismo em pré-termos extremos, chama a atenção a corioamnionite (16 vezes mais!)

Efeito da terapia com hidrocortisona iniciada de 7 a 14 dias após o nascimento na mortalidade ou displasia broncopulmonar entre os bebês muito prematuros que recebem ventilação mecânica.

Efeito da terapia com hidrocortisona iniciada de 7 a 14 dias após o nascimento na mortalidade ou displasia broncopulmonar entre os bebês muito prematuros que recebem ventilação mecânica.

Effect of Hydrocortisone Therapy Initiated 7 to 14 Days After Birth on Mortality or Bronchopulmonary Dysplasia Among Very Preterm Infants Receiving Mechanical Ventilation: A Randomized Clinical Trial.Onland W, Cools F, Kroon A, Rademaker K, Merkus MP, Dijk PH, van Straaten HL, Te Pas AB, Mohns T, Bruneel E, van Heijst AF, Kramer BW, Debeer A, Zonnenberg I, Marechal Y, Blom H, Plaskie K, Offringa M, van Kaam AH; STOP-BPD Study Group.JAMA. 2019 Jan 29;321(4):354-363. doi: 10.1001/jama.2018.21443.PMID:30694322.Similar articles.

Realizado por Paulo R. Margotto.

Unidade de Neonatologia do HMIB/SES/DF.

Hospital Maternidade Brasília.

pmargotto@gmail.com

Este estudo multicêntrico randomizado não encontrou diferença significativa no desfecho composto primário de morte ou displasia broncopulmonar (DBP) com 36 semanas de idade pós-menstrual entre bebês randomizados para hidrocortisona em comparação com aqueles randomizados para placebo em 7 a 14 dias; os resultados do presente estudo sugerem que a hidrocortisona facilita a extubação, mas, em contraste com a dexametasona, não reduz DBP; esse achado não apoia o uso de hidrocortisona para esta indicação; o único efeito adverso atribuído especificamente ao tratamento com hidrocortisona foi a hiperglicemia requerendo insulina

 

 

 

 

Células-tronco mesenquimais para a displasia broncopulmonar: ensaio clínico fase 1 de escalação de dose

Células-tronco mesenquimais para a displasia broncopulmonar: ensaio clínico fase 1 de escalação de dose

Mesenchymal stem cells for bronchopulmonary dysplasia: phase 1 dose-escalation clinical trial.Chang YS, Ahn SY, Yoo HS, Sung SI, Choi SJ, Oh WI, Park WS.J Pediatr. 2014 May;164(5):966-972.e6. doi: 10.1016/j.jpeds.2013.12.011. Epub 2014 Feb 6.PMID: 24508444. .Free Article. Similar articles. ARTIGO INTEGRAL

Apresentação: Danilo Lima Souza. Coordenação: Paulo R. Margotto

A severidade da DBP foi significativamente menor e a retinopatia da prematuridade com necessidade de cirurgia foi menos prevalente no grupo transplantado de MSCs com grupo controle.  Esses achados indicam que o transplante intratraqueal de até 2×107 células/kg de hUCB-derived MSCs em pré-termos pode ser seguro ou saudável

Uso racional de esteróide pós-natal (Rational Use of Postnatal Steroids)

Uso racional de esteróide pós-natal (Rational Use of Postnatal Steroids)

Alan Jobe

11o Simpósio Internacional de Neonatologia do Rio de Janeiro, 20-23 de junho de 2018

Minha visão do futuro: nos precisamos de

-Resolver o debate sobre o uso de dexametasona versos hidrocortisona para o tratamento tardio da displasia broncopulmonar (DBP)

-Decidir sobre uma opção de tratamento precoce

-Testar se surfactante + budesonida tardia é efetivo para o tratamento da DBP

-Aprender se antiinflamatórios específicos são benéficos

-Estar alerta a respeito dos efeitos colaterais