Categoria: Infecções Bacterianas e Fúngicas

Antibióticos no período neonatal e prematuridade estão associados a um aumento do risco de distúrbios gastrointestinais funcionais no primeiro ano de vida

Antibióticos no período neonatal e prematuridade estão associados a um aumento do risco de distúrbios gastrointestinais funcionais no primeiro ano de vida

Neonatal Antibiotics and Prematurity Are Associated with an Increased Risk of Functional Gastrointestinal Disorders in the First Year of Life.Salvatore S, Baldassarre ME, Di Mauro A, Laforgia N, Tafuri S, Bianchi FP, Dattoli E, Morando L, Pensabene L, Meneghin F, Dilillo D, Mancini V, Talarico V, Tandoi F, Zuccotti G, Agosti M. J Pediatr. 2019 Jun 11. pii: S0022-3476(19)30544-X. doi: 10.1016/j.jpeds.2019.04.061. [Epub ahead of print]. Itália. PMID: 31201028. Similar articles.

Distúrbios gastrointestinais funcionais no primeiro ano de vida – functional gastrointestinal disorders-FGIDs  incluem regurgitação, síndrome de ruminação infantil, síndrome de vômito ciclístico, cólica infantil, diarreia funcional, disquesia infantil [evacuação dolorosa ou difícil] e constipação funcional; numa coorte de 934 bebês que completaram o estudo até 1 ano de idade, análise multivariada identificou, pela primeira vez que a prematuridade e o uso de antibiótico como fatores de risco significativamente associados à pelo menos uma FGID (parto prematuro e uso neonatal de antibióticos nos primeiros meses de vida estão associados a um aumento da incidência de FGIDs, particularmente cólica infantil e regurgitação; nascimento por cesariana e padrão alimentar em 1 mês de vida constituíram fatores para a disquesia infantil e diarréia funcional); conhecer esses fatores é importante para o desenvolvimento de intervenções na primeira infância para diminuir os FGIDs mais tarde na vida; o uso precoce de antibióticos tem sido associado aumento do risco de alergia e doença inflamatória do intestino em RN geneticamente predispostos; confirmando esses resultados, deveria ser considerada uma estratégia equilibrada para a redução do uso desnecessário de antibióticos neonatais e promover homeostase intestinal em recém-nascidos de risco considerado; o período perinatal compreende um período crítico durante o qual ocorre a maturação dos mecanismos complexos que regulam o eixo cérebro-intestino-microbiota.

A leucocitose está associada à retinopatia da prematuridade nas crianças prematuras extremas

A leucocitose está associada à retinopatia da prematuridade nas crianças prematuras extremas

Leucocytosis is associated with retinopathy of prematurity in extremely preterm infants.Lundgren P, Klevebro S, Brodin P, Smith LEH, Hallberg B, Hellström A. Acta Paediatr. 2019 Jul;108(7):1357-1358. doi: 10.1111/apa.14798. Epub 2019 Apr 12. No abstract available. PMID: 30920014. Similar articles. Suécia.

Realizado por Paulo R. Margotto. Hospital Materno Infantil de Brasília, SES/DF. Maternidade Brasília. pmargotto@gmail.com.

Notavelmente, a leucocitose persistiu como um fator de risco de maior impacto quando a análise de regressão logística foi ajustada para a idade gestacional [que indica imaturidade] e ajustada para a Proteína C reativa [que pode indicar infecção e inflamação): 18,3% versos 9,3% sem leucocitose-P<0.001;  assim a leucocitose ≥30 mil pode ser usado como um potencial preditor]

Preditores de sepse neonatal precoce ou morte entre recém-nascidos com <32 semanas de gestação

Preditores de sepse neonatal precoce ou morte entre recém-nascidos com <32 semanas de gestação

Predictors of early-onset neonatal sepsis or death among newborns born at <32 weeks of gestation.Palatnik A*1Liu LY2 Lee A3 Yee LM.3 Perinatol. 2019 Jul;39(7):949-955. Doi:10.1038/s41372-019-0395-9. Epub 2019 May 14.PMID: 31089257. Similar articles

Realizado por Paulo R. Margotto.

Os autores desenvolveram um modelo preditivo para sepse neonatal precoce [<3 dias] ou morte entre bebês nascidos entre 23 a 31 sem 6 dias de gestação, sendo evidenciado, após análise multivariada, os fatores que permaneceram independentemente associados à sepse ou morte neonatal foram idade gestacional mais precoce no momento do parto [especificamente <28 semanas], febre intraparto, presença de coloração meconial líquido amniótico e menor peso ao nascer.

Osteoartrite em Neonatologia- fatores de risco e desfecho

Osteoartrite em Neonatologia- fatores de risco e desfecho

Osteoarthritis in the neonaterisk factors and outcome.Berberian G, Firpo V, Soto A, Lopez Mañan J, Torroija C, Castro G, Polanuer P, Espinola C, Piñeiro JL, Rosanova MT.Braz J Infect Dis. 2010 Jul-Aug;14(4):413-8.PMID: 20963330.Free Article.Similar articles. Artigo Livre!

Apresentação: Lorena Andrade ( R4 Neonatologia/HMIB/SES;DF). Coordenação: Diogo Pedroso.

Os fatores de risco associados incluíram prematuridade, baixo peso ao nascer, asfixia, bacteremia e presença de cateter venoso ou umbilical; 80% dos pacientes desse estudo apresentaram envolvimento de extremidades  inferiores (joelho, quadril e tornozelo), sendo o quadril o local mais frequente de infecção; sinais definitivos de alterações óssea em RX do 7º ao 10º dia da doença; evidência clínica ou radiológica de infecção do espaço articular exige a confirmação através da aspiração da agulha de uma área inflamatória, para estabelecer um rápido diagnóstico, além dos estudos usuais de triagem de sepse; 85% da etiologia é pelo S. aureus e tardiamente, Streptococcus agalactiae [3-4 semana]; o ultrassom  é particularmente útil porque não só confirma ou exclui efusão em crianças, mas também pode identificar elevação periosteal, erosão cortical ou uma coleção subperióstica.

Influência do leite da própria mãe e diferentes proporções de fórmula sobre a microbiota intestinal em recém-nascidos muito prematuros

Influência do leite da própria mãe e diferentes proporções de fórmula sobre a microbiota intestinal em recém-nascidos muito prematuros

Influence of own mother’s milk and different proportions of formula on intestinal microbiota of very preterm newborns.Zanella A, Silveira RC, Roesch LFW, Corso AL, Dobbler PT, Mai V, Procianoy RS.PLoS One. 2019 May 20;14(5):e0217296. doi: 10.1371/journal.pone.0217296. eCollection 2019.PMID: 31107919. Free Article.Similar articles. Artigo Livre!

 

Apresentação:Maria Eduarda Canellas de Castro R4 Neonatologia HMIB.

Coordenação: Carlos A. Zaconeta

  • Muitos estudos têm focado na questão da amamentação, particularmente em relação à microbiota dos recém-nascidos, para identificar seus benefícios para o desenvolvimento e a prevenção de doenças ao longo da vida.
  • Considerando a importância do tema, este estudo teve como objetivo descrever a microbiota intestinal de recém-nascidos pré-termo de acordo com seus hábitos nutricionais estabelecendo modificações da microbiota intestinal de acordo com o tipo de dieta enteral administrada.
  • Com base nestes dados, percebe-se que as diferenças globais da comunidade microbiana são encontradas entre os tipos de dietas administradas a prematuros, mostrando que a maior riqueza microbiana foi encontrada naqueles que receberam leite materno exclusivo em comparação àqueles que receberam diferentes proporção de fórmula.
Revisão Sistemática e Metanálise da Orientação da Procalcitonina versus os Cuidados Usuais para o Tratamento Antimicrobiano em Pacientes Críticos: Foco em Subgrupos Baseados na Iniciação Antibiótica, Cessação ou Estratégias

Revisão Sistemática e Metanálise da Orientação da Procalcitonina versus os Cuidados Usuais para o Tratamento Antimicrobiano em Pacientes Críticos: Foco em Subgrupos Baseados na Iniciação Antibiótica, Cessação ou Estratégias

Systematic Review and Meta-Analysis of Procalcitonin-Guidance Versus Usual Care for Antimicrobial Management in Critically Ill Patients: Focus on Subgroups Based on Antibiotic Initiation, Cessation, or Mixed Strategies.Lam SW, Bauer SR, Fowler R, Duggal A.Crit Care Med. 2018 May;46(5):684-690. doi: 10.1097/CCM.0000000000002953.PMID: 29293146.Similar articles.

Apresentação:Tatiana Santos Rodrigues-MR Medicina Intensiva Pediátrica. Coordenação: Alexandre P. Serafim.

  • Nos grupos que utilizaram este guia para interrupção de antimicrobianos, a mortalidade foi menor quando a terapia foi guiada por procalcitonina.
Editorial: Manejo antibiótico na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal: Lições Do Oxigênio

Editorial: Manejo antibiótico na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal: Lições Do Oxigênio


Antibiotic Stewardship in the Neonatal Intensive Care Unit: Lessons From Oxygen.
Cantey JBa, Hersh ALb. Pediatrics. 2019 Mar;143(3). pii: e20183902. doi: 10.1542/peds.2018-3902. No abstract available. PMID: 30819970. Similar articles.

Realizado por Paulo R. Margotto.

Antibioticoterapia empírica prolongada (>3 dias) no recém-nascido não infectado associa-se significativamente a enterocolite necrosante, displasia broncopulmonar, hemorragia intraventricular, sepse tardia, leucomalácia periventricular, retinopatia da prematuridade. As taxas atuais de prescrição de antibióticos na UTI Neonatal são inaceitavelmente altas. Os profissionais devem obter culturas apropriadas e iniciar antibioticoterapia empírico por um período mínimo de 24 a 48 horas antes da sepse pode ser confiavelmente excluída. Esta é a abordagem na expressiva maioria das UTI Neonatais com a antibioticoterapia empírica, a maioria da qual é desnecessária. Segundo, muitos bebês com bom estado recebem antibioticoterapia empírica inicial. Intervenções que são projetadas para mudar fundamentalmente o comportamento do médico na forma de prescrever são necessárias para ajudar a orientar a segurança e a observação seletiva sem antibióticos para certas populações, como prematuros de baixo risco que nascem por cesariana por indicações maternas sem trabalho de parto ou bebês de boa aparência que são expostos a corioamnionite.

Duração da Terapia Antibiótica Empírica Inicial e Resultados em Bebês de Muito Baixo Peso ao Nascer

Duração da Terapia Antibiótica Empírica Inicial e Resultados em Bebês de Muito Baixo Peso ao Nascer

Duration of Initial Empirical Antibiotic Therapy and Outcomes in Very Low Birth Weight Infants. Ting JY, Roberts A, Sherlock R, Ojah C, Cieslak Z, Dunn M, Barrington K, Yoon EW, Shah PS; Canadian Neonatal Network Investigators. Pediatrics. 2019 Mar;143(3). pii: e20182286. doi: 10.1542/peds.2018-2286. PMID: 30819968. Similar articles.

Realizado por Paul R. Margotto.

A antibioticoterapia empírica prolongada (>3 dias) no recém-nascido não infectado associa-se significativamente a enterocolite necrosante, displasia broncopulmonar, hemorragia intraventricular, sepse tardia, leucomalácia periventricular, retinopatia da prematuridade. As taxas atuais de prescrição de antibióticos na UTI Neonatal são inaceitavelmente altas. Os profissionais devem obter culturas apropriadas e iniciar antibioticoterapia empírico por um período mínimo de 24 a 48 horas antes da sepse pode ser confiavelmente excluída. Esta é a abordagem na expressiva maioria das UTI Neonatais com a antibioticoterapia empírica, a maioria da qual é desnecessária. Segundo, muitos bebês com bom estado recebem antibioticoterapia empírica inicial. Intervenções que são projetadas para mudar fundamentalmente o comportamento do médico na forma de prescrever são necessárias para ajudar a orientar a segurança e a observação seletiva sem antibióticos para certas populações, como prematuros de baixo risco que nascem por cesariana por indicações maternas sem trabalho de parto ou bebês de boa aparência que são expostos a corioamnionite

Monografia-Neonatologia (HMIB-2019)-Apresentação: Fatores relacionados com a mortalidade de prematuros menores de 29 semanas em uma Maternidade Pública

Monografia-Neonatologia (HMIB-2019)-Apresentação: Fatores relacionados com a mortalidade de prematuros menores de 29 semanas em uma Maternidade Pública

Patrícia Teodoro de Queiroz.

A sepse neonatal tardia foi a mais prevalente e estatisticamente significativa para o aumento da taxa de mortalidade em recém-nascido pré-termo. A classificação de acordo com peso e idade, ou até mesmo o uso de surfactante, não influenciaram significativamente na mortalidade. O corticoide antenatal mostrou-se protetor para os óbitos neonatais.Os achados deste estudo devem orientar a implementação de intervenções efetivas voltadas para a melhoria da qualidade do pré-natal e perinatalTambém é necessário reavaliar continuamente os indicadores, intervenções e resultados para realinhar essas ações