Mês: julho 2021

Baixa tecnologia, hipotermia moderada controlada para tratamento de enterocolite necrosante: uma iniciativa para melhorar os cuidados de saúde para neonatos prematuros

Baixa tecnologia, hipotermia moderada controlada para tratamento de enterocolite necrosante: uma iniciativa para melhorar os cuidados de saúde para neonatos prematuros

Low technologymild controlled hypothermia for necrotizing enterocolitis treatment: an initiative to improve healthcare to preterm neonates.Gonçalves-Ferri WA, Ferreira CHF, Couto LCA, Souza TR, de Castro Peres T, Carmona F, Aragon DC, Crott G, Mussi-Pinhata MM, Junior JSC, Roosch A, Neto LS.Eur J Pediatr. 2021 Apr 24. doi: 10.1007/s00431-021-04014-1. Online ahead of print.PMID: 33895856.

Resumido por Paulo R. Margotto

Nessa experiência , baixa tecnologia, hipotermia controlada leve (35,5 graus até por 48 horas) é viável e não está relacionada a efeitos adversos em recém-nascidos de muito baixo peso com enterocolite necosanTe (NEC)estágio II / III de Bell modificado, e melhores resultados principais:

O grupo hipotermia necessitou de menos cirurgia (aRR 0,40; IC 95% 0,19-0,85), apresentou menos perfuração intestinal (aRR 0,39; IC 95% 0,18; 0,83), teve menor duração da nutrição parenteral (aHR 5,28; IC 95% 1,88- 14,89), não precisou de ressecção intestinal extensa (0 vs 15,7%), e não apresentou nenhuma morte (0 vs 31,6%).

-O próximo passo nesse  grupo de pesquisa é um estudo  prospectivo de hipotermia controlada leve em NEC

Preditores radiográficos determinados com objetivo de ferramenta de avaliação para pacientes neonatais com enterocolite necrosante

Preditores radiográficos determinados com objetivo de ferramenta de avaliação para pacientes neonatais com enterocolite necrosante

Radiographic predictors determined with an objective assessment tool for neonatal patients with necrotizing enterocolitis.Fattori Alves AF, Menegatti Pavan AL, Giacomini G, Quini CC, Marrone Ribeiro S, Garcia Marquez R, Bentlin MR, Petean Trindade A, de Arruda Miranda JR, Rodrigues de Pina D.J Pediatr (Rio J). 2019 Nov-Dec;95(6):674-681. doi: 10.1016/j.jped.2018.05.017. Epub 2018 Jul 3.PMID: 31679612 Free article. Em Português: Preditores radiográficos determinados com uso de ferramenta …

Apresentação: Larissa Dutra – R3 em Neonatologia do HMIB/SES/DF. Coordenação: Miza Vidigal.

A ferramenta desenvolvida pode detectar diferenças nos achados radiográficos do aumento da espessura da parede intestinal e pneumatose intestinal  de difícil diagnóstico, demonstra seu potencial na rotina clínica. A ferramenta desenvolvida no presente estudo pode ajudar os médicos a investigar alças intestinais suspeitas e melhorar consideravelmente o diagnóstico e as decisões clínicas.

Desempenho acadêmico, função motora e comportamento 11 anos após a terapia com citrato de cafeína neonatal para apneia da prematuridade: um acompanhamento de 11 anos do ensaio clínico randomizado CAP

Desempenho acadêmico, função motora e comportamento 11 anos após a terapia com citrato de cafeína neonatal para apneia da prematuridade: um acompanhamento de 11 anos do ensaio clínico randomizado CAP

Academic Performance, Motor Function, and Behavior 11 Years After Neonatal Caffeine Citrate Therapy for Apnea of Prematurity: An 11-Year Follow-up of the CAP Randomized Clinical Trial. Schmidt B, Roberts RS, Anderson PJ, Asztalos EV, Costantini L, Davis PG, Dewey D, D’Ilario J, Doyle LW, Grunau RE, Moddemann D, Nelson H, Ohlsson A, Solimano A, Tin W; Caffeine for Apnea of Prematurity (CAP) Trial Group.
JAMA Pediatr. 2017 Jun 1;171(6):564-572. doi: 10.1001/jamapediatrics.2017.0238.
PMID: 28437520.Similar articles.

Hospital Materno Infantil de Brasília Dr. Antônio Lisboa – HMIB. Apresentação: Flávia Moura R5 Neonatologia (R4 em neonatologia). Coordenação: Dra. Miriam Leal.

A terapia neonatal com cafeína não reduziu significativamente a taxa combinada de deficiências funcionais, mas foi associada a uma taxa reduzida de deficiência motora aos 11 anos de idade em crianças com muito baixo peso ao nascer. Quando prescrita nas doses usadas neste estudo, a terapia com cafeína para apneia da prematuridade é eficaz e segura na idade escolar.

Nos linksA cafeína pode exercer um papel neuroprotetor no cérebro do prematuro.

Katrin Klebermass-Schrehof (Viena, Áustria), 26/7/2021-5º Centric Innovation.

Displasia Broncopulmonar do Recém-Nascido: Prevenção e tratamento em 2021

Displasia Broncopulmonar do Recém-Nascido: Prevenção e tratamento em 2021

Dr. Jaques Belik (Canadá) no XVIII Encontro Internacional de Neonatologia da Santa Casa de São Paulo ocorrido em 19/6/2021. Realizado por Paulo R. Margotto.

O efeito individual na prevenção da Displasia broncopulmonar (DBP) é pequeno razão pela qual é importante o uso de um pacote de medidas. A DBP associa-se com ao um deficiente desenvolvimento, com sequela neurológica e aumento do risco de mortalidade a longo  prazo. No pré-natal, o CORTICOSTERÓIDE PRÉ-NATAL não diminuiu a incidência de DBP, assim como o uso do SURFACTANTE PULMONAR EXÓGENO, tanto o uso precoce como o tardio. Já a CAFEÍNA mostrou-se de valor na prevenção da DBP, principalmente se usada ates dos 3 dias de vida (seus efeitos antiinflamatório e imunomodulador já foram demonstrados há quase 20 anos por Barbara Schmidt). Em relação à Saturação de O2, não houve diferença na incidência de DBP com faixas de Saturação de O2 entre 85-89% (mais enterocolite necrosante e retinopatia da prematuridade) e 90 a 95%, dando a entender para que se mantenham esses bebês na faixa de 90-95%. Agora, quanto à VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA: a) CPAP NASAL x INTUBAÇÃO ENDOTRAQUEAL: talvez o uso de níveis maiores de CPAP possa ser de melhor benefício. O ILCOR, na versão de 2020 – 2021 recomenda o uso de          CPAP (prematuros respirando espontaneamente com desconforto respiratório na Sala de Parto, iniciar CPAP ao invés de intubação e VM) b) CPAP NASAL  X VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA (NIPPB): a ventilação não invasiva (CPAP “ciclado” ) SINCRONIZADA mostrou maior efeito, assim como a VENTILAÇÃO NASAL DE  ALTA FREQUÊNCIA em relação a CPAP NASAL. Interessante que dados de 2021 mostram que para os RN que acabam e ser extubados, o uso de ALTA FREQUÊNCIA NASAL é superior a CPAP convencional na manutenção dessas crianças com relação a evitar a reintubação (são dados de 2020-2021). CÂNULA DE ALTO FLUXO e CPAP NASAL têm mostrado resultados semelhantes quanto à DBP. Quanto à VENTILAÇÃO INVASIVA: A VENTILAÇÃO A VOLUME (manter volume de 5 ml/kg) tem sido mostrada de valor em relação à convencional na prevenção da DBP. Em relação à ventilação convencional e alta frequência, são necessários mais estudos para comparar diferenças. Quanto ao corticosteroide pré-natal: dexametasona nas doses  médias por tempos curtos, iniciando  com 8 dias de vida , 0,5mg/kg por 3 dias , 0,25 mg/kg por 3 dias, 0,1mg/kg  por 1 dia e suspender. Esse protocolo levou a uma redução importante  da DBP e de interesse, sem altera o neurodesenvolvimento. Entre outras opções sem valor como preventivo, como azitromicina, iNO, diurético, broncodilatador, Vitamina A, terapia anti- refluxo não se mostraram de valor. No entanto as crianças que tiveram um índice cumulativo de fluido maior nos primeiros 10 dias de vida associam-se com maior chance significativamente de ter DBP (Odds ratio ajustada: 1,6 com IC a 95% de 1,12-2,35), como demonstrou o grupo de Guilherme Sant´Anna, Canadá, em 2021. Portanto, DIRETO AO PONTO: Cafeína seria a primeira droga a ser feita e dependendo da necessidade, está indicado o uso de CPAP nasal ou o alto fluxo e se necessário, ventilação não invasiva sincronizada e se necessário, ventilação convencional com volume controlado, mantendo menor índice acumulativo de fluido nos primeiros 10 dias de vida. Se você não for capaz de extubar o seu bebê depois da primeira semana de vida usar, a dexametasona em regime curto é a melhor escolha. Assim, essas são as estratégias que existem evidência atual para a diminuição da incidência da DBP.

A MELHOR ESTRATÉGIA NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DBP É REFUTAR OU DIMINUIR A DURAÇÃO DA VENTILAÇÃO INVASIVA

 

ANTIBIÓTICOS PODEM AFETAR O CÉREBRO: Efeitos da exposição precoce à penicilina no microbioma intestinal e no córtex frontal e na expressão do gene da amígdala

ANTIBIÓTICOS PODEM AFETAR O CÉREBRO: Efeitos da exposição precoce à penicilina no microbioma intestinal e no córtex frontal e na expressão do gene da amígdala

Effects of early-life penicillin exposure on the gut microbiome and frontal cortex and amygdala gene expression. AngelinaVolkova, KellyRuggles, AnjeliqueSchulfer, ZhanGao, Stephen D.Ginsberg, Martin J.Blaser.

iScience, online. Available online 15 July 2021.

https://doi.org/10.1016/j.isci.2021.102797

Effects of early-life penicillin exposure on the gut microbiome …

Realizado por Paulo R. Margotto.

Estabelecemos sistemas experimentais para avaliar os efeitos de exposições precoces aos antibióticos sobre a microbiota intestinal e a expressão gênica no cérebro. Este modelo de sistema é altamente relevante para a exposição humana e pode ser desenvolvido em um modelo pré-clínico de distúrbios do neurodesenvolvimento em que o eixo intestino – cérebro é perturbado, levando a efeitos organizacionais que alteram permanentemente a estrutura e função do cérebro. A exposição de camundongos recém-nascidos a baixas doses de penicilina levou a mudanças substanciais na estrutura da população da microbiota intestinal e composição. Alterações transcriptômicas implicam vias perturbadas em distúrbios do neurodesenvolvimento e neuropsiquiátricos. Também havia substanciais efeitos no córtex frontal e na expressão do gene da amígdala por, afetando múltiplas vias subjacentes ao neurodesenvolvimento. Análises informáticas estabeleceram ligações entre populações microbianas intestinais específicas e a expressão no início da vida de genes particularmente afetados. Esses estudos fornecem modelos translacionais para explorar as funções do microbioma intestinal no normal e maturação anormal do sistema nervoso central vulnerável.

“O estudo sugere que a penicilina muda o microbioma, os trilhões de microrganismos benéficos que vivem dentro do nosso corpo, bem como a expressão gênica de áreas cerebrais essenciais para o desenvolvimento da criança”

Martin Blaser adianta que futuras pesquisas deverão determinar se os antibióticos afetam diretamente o desenvolvimento do cérebro ou se as moléculas do microbioma que viajam para o cérebro perturbam a atividade do gene e causam os déficits cognitivos. “Esse estudo é preliminar, mas mostra uma forte correlação entre a alteração do microbioma e mudanças no cérebro que devem ser exploradas mais a fundo.”

Martin Laser, pesquisador da Universidade de Rutgers e autor principal do estudo.

NEUROSSONOGRAFIA NEONATAL- Compartilhando imagens: Megacisterna Magna (Tomografia de crânio)

NEUROSSONOGRAFIA NEONATAL- Compartilhando imagens: Megacisterna Magna (Tomografia de crânio)

Caso Clínico

 

Recém-nascido (RN) de 37 semanas, 1900g, PIG-ABAIXO DO PERCENTIL5 (Curva de Margotto), comprimento de 44,5 cm, perímetro cefálico de 32 cm, índice ponderal (peso/estatura3) de 2,01 <Percentil 10-PIG ASSIMÉTRICO fertilização in vitro, sem patologias prévias e nessa gestação, Apgar de 3/7. Realizado NIPT na gestação, no qual se suspeitou da Síndrome da Trissomia do 18, não foi realizado exame invasivo para diagnóstico – opção da família. Ecocardiograma mostrou valva pulmonar algo displásica, sem estenose.

O impacto do intervalo entre extubação e reintubação na Mortalidade ou Displasia Broncopulmonar em recém-nascidos de extremo baixo peso

O impacto do intervalo entre extubação e reintubação na Mortalidade ou Displasia Broncopulmonar em recém-nascidos de extremo baixo peso

The Impact of Time Interval between Extubation and Reintubation on Death or Bronchopulmonary Dysplasia in Extremely Preterm Infants.Shalish W, Kanbar L, Kovacs L, Chawla S, Keszler M, Rao S, Panaitescu B, Laliberte A, Precup D, Brown K, Kearney Infants.Shalish W RE, Sant’Anna GM.J Pediatr. 2018 Nov 5. pii: S0022-3476(18)31392-1. doi: 10.1016/j.jpeds.2018.09.062. [Epub ahead of print]PMID: 30404739.Similar articles. Apresentação:Maria Eduarda Canellas de Castro. Residente do 1º ano de Neonatologia HMIB. Coordeenação: Carlos Alberto Moreno Zaconeta

  • Os estudos realizados sobre o tema (falha de extubação)  usaram uma janela observacional muito diferente para decidir qual reintubação foi considerada clinicamente relevante. O presente estudo procurou explorar associações entre tempo de reintubação e o desfecho composto de morte ou displasia broncopulmonar (DBP) em uma grande coorte prospectiva entre recém-nascidos de extremo baixo peso (RN-EBP). Esse estudo faz uma análise exploradora  de um estudo  observacional multicêntrico ainda em andamento, que tem por objetivo desenvolver um estudo APEX (Ferramenta Automatizada de Previsão de Prontidão para Extubação em RN Pré-termos Extremos). A seleção ocorre entre setembro de 2013 a junho de 2017 em 5 diferentes UTIs Neonatais (UTIN) no Canadá e nos Estados Unidos. A DBP foi definida como necessidade de qualquer suplementação de oxigênio e/ou qualquer tipo de suporte respiratório invasivo ou não invasivo quando com 36 semanas de idade pós-menstrual. Os bebês que necessitaram de reintubação (em comparação com aqueles nunca reintubados) eram mais imaturos ao nascer, menor peso, recebiam  maior FIO2 e foram expostos a maior tempo de ventilação mecânica (VM). Os que foram reintubados receberam uma mediana de 12 dias adicionais de VM (entre 6-26 dias), fizeram maior uso de esteróides pós-natais, maiores taxas de canal arterial patente, enterocolite necrosante, infecção em relação aos nunca reintubados. A probabilidade cumulativa de desenvolver morte/DBP dentre os bebês reintubados dependeu da janela de observação usada  quanto menor a janela, maior a probabilidade): embora  a probabilidade geral de morte / DBP fosse de 83% para todos os RNs reintubados, essa foi de 93% ao se limitar a janela de observação para reintubação dentro de 48h após a extubação (a probabilidade de morte/DBP nos bebês NUNCA reintubados foi 38%). Esses resultados fornecem uma nova visão para o importância do tempo ao avaliar as implicações clínicas da reintubações em prematuros extremos. Assim, a reintubação em menos de 48 horas pode simplesmente refletir m marcador adicional (independente) de gravidade da doença! Nos linkst rouxemos a estratégia do desmame e extubação  da experiência dos Dr. Wung e Guilherme Sant´Anna recentemente em Brasília e evidências da literatura  devendo esses bebês serem extubados para CPAP nasal em selo d´agua à 50%, com maiores pressões (7 a 8-9 cm H2O) e se falhar, NIPPV (conhecida entre nós como VNI)  e se falhar, reintubação.