Categoria: Gemelaridade

A história do tratamento da Síndrome de Transfusão Feto-Fetal (The History of Treatment of Twin-to-Twin Transfusion Syndrome)

A história do tratamento da Síndrome de Transfusão Feto-Fetal (The History of Treatment of Twin-to-Twin Transfusion Syndrome)

The History of Treatment of Twin-to-Twin Transfusion Syndrome.Glennon CL, Shemer SA, Palma-Dias R, Umstad MP.Twin Res Hum Genet. 2016 Jun;19(3):168-74. doi: 10.1017/thg.2016.27. Review.PMID: 27203604.Similar articles

Apresentação:Daniela Megumi. R3 Neonatologia – HMIB. Coordenação: Nathalia Bardal.

 

Sugestões históricas da síndrome de transfusão de gêmeos para gêmeos (síndrome de transfusão feto fetal STFF) datam do início do século XVII. Anastomoses placentárias foram relatadas pela primeira vez em 1687; no entanto, foi Schatz quem primeiro identificou sua importância em 1875. Ele reconheceu “a área de transfusão” dentro do “bairro viloso” da placenta, que ele chamou a “terceira circulação”. Este artigo descreve como o gerenciamento Da STFF evoluiu à medida que adquiriram uma compreensão e apreciação mais sofisticadas das complexas anastomoses vasculares que existem em placentas gêmeas monocoriônicas. Atualmente, a oclusão fetosópica a laser é o tratamento preferido opção para a STFF.

Gemelaridade- Uma Abordagem para o Neonatologista

Gemelaridade- Uma Abordagem para o Neonatologista

Márcia Pimentel de Castro/Paulo R. Margotto

Capítulo do livro Assistência ao Recém-Nascido de Risco, 4a Edição, 2019 (no prelo)

Francis Galton (1822-1911), que lançou as bases da Biometria cerca de 25 anos antes da redescoberta dos trabalhos do pai da Genética (Gregor Johann Mendel,1822-1884), já participara à Anthropological Society of London que os gêmeos podem ser estudados com a finalidade de avaliar a contribuição do que ele chamou de natura e nurtura na determinação dos caracteres quantitativos (Galton, 1876). Esse binômio passou, mais tarde, a ser designado por genótipo e ambiente, mas o princípio lógico estabelecido por Galton para o estudo de gêmeos com a finalidade de investigar a participação do genótipo na variação fenotípica permaneceu basicamente o mesmo. Os fatores do ambiente que afetam as diferenças intrapar dos gêmeos monozigóticos (oriundos de um único zigoto) seriam comparáveis aos fatores ambientais que afetam as diferenças intrapar dos gêmeos dizigóticos, os quais, do mesmo modo que os pares de irmãos nascidos de gestações sucessivas, são oriundos de dois zigotos.

            Atualmente se sabe que a gemelaridade ocorre em 1,6% das gestações e é um campo importante do conhecimento da reprodução humana. A maior incidência de problemas neonatais em gêmeos comparado a recém-nascidos de gestações únicas dá suporte à noção de que gestação múltipla é um desvio do padrão humano normal. Restrição do crescimento intra-uterino, prematuridade, malformações congênitas e mortalidade perinatal aumentada são mais comuns em gêmeos do que em fetos únicos. O conhecimento sobre a embriologia da gemelaridade auxilia a compreender a ocorrência de algumas destas complicações.

 

Gemelaridade imperfeita: um dilema clínico e ético

Gemelaridade imperfeita: um dilema clínico e ético

Daniela Denardin, Jorge Alberto B. Telles, Rosilene da Silveira Betat, Paulo Renato K. Fell, André Campos da Cunha Luciano Vieira Targa, Paulo Ricardo G. Zen, Rafael Fabiano M. Rosa.

Apresentação: Paula Abdo – R3 UTIP
Coordenação:  Dra Nathália Bardal
Residência Médica UTI Pediátrica HRAS/HMIB/SES/DF.
Unidade de Neonatologia