Categoria: Farmacologia Neonatal

Práticas de pré-medicação para intubação traqueal neonatal: resultados do estudo de coorte prospectivo EPIPPAIN 2 e comparação com EPIPPAIN 1

Práticas de pré-medicação para intubação traqueal neonatal: resultados do estudo de coorte prospectivo EPIPPAIN 2 e comparação com EPIPPAIN 1

Premedication practices for neonatal tracheal intubation: Results from the EPIPPAIN 2 prospective cohort study and comparison with EPIPPAIN 1.Walter-Nicolet E, Marchand-Martin L, Guellec I, Biran V, Moktari M, Zana-Taieb E, Magny JF, Desfrère L, Waszak P, Boileau P, Chauvin G, de Saint Blanquat L, Borrhomée S, Droutman S, Merhi M, Zupan V, Karoui L, Cimerman P, Carbajal R, Durrmeyer X.Paediatr Neonatal Pain. 2021 Apr 4;3(2):46-58. doi: 10.1002/pne2.12048. eCollection 2021 Jun.PMID: 35547594 Free PMC article. Artigo Gratis!

Apresentação: Sylvia, R4 em Neonatologia do HMIB/SES/DF. Coordenação: Digo Pedroso.

Apesar dessa orientação aos médicos, da conscientização da equipe sobre a dor e suas consequências no período neonatal e da publicação nos últimos anos de vários estudos sobre as possíveis combinações de medicamentos a serem utilizados para esse procedimento, muitas unidades de terapia intensiva neonatais e pediátricas (UTIN /UTIP) não incorporaram o uso rotineiro de pré-medicação neonatal em suas práticas. Estudo realizado em 16 centros de cuidados terciários, incluindo 13 unidades de terapia intensiva neonatal (UTIN) e três unidades de terapia intensiva pediátricos (UTIP) na região da França mostrou que um quarto dos neonatos deste estudo foram submetidos a esse procedimento doloroso sem qualquer forma de analgesia! As taxas de pré medicação foram baixas em cada Centro,  a taxa mais alta foi de 45,8% e a mais baixa foi de 12,5%. A taxa de IT sem nenhuma forma de sedação ou analgesia foi elevada: 29% (26/91) em 2005 e 25% (30/121) em 2011. As taxas de pré-medicação específica diminuíram de 56% para 47% entre 2005 e 2011. Nossa Unidade tem um Protocolo de pré-medicação discutido e implantado em 2024 devendo ser monitorizado com educação contínua para garantir sua eficácia 5)VENTILAÇÃO DE ALTA FREQUÊNCIA EM BEBÊS PREMATUROS E NEONATOS. É um modo de ventilação mecânica invasiva, caracterizado pela entrega de volumes correntes muito pequenos em frequências suprafisiológicas (evita a hiperinsuflação inspiratória e o colapso pulmonar expiratório), sendo considerada um modo de ventilação que protege os pulmões. O conhecimento de como funciona a ventilação de alta frequência, como influencia a fisiologia cardiorrespiratória e como aplicá-la na prática clínica diária tem se mostrado essencial para seu uso ideal e seguro. Esse é o objetivo desse estudo e nos complementos, apresentamos como fazemos.

APRESENTAÇÃO: SEQUÊNCIA RÁPIDA DE INTUBAÇÃO

APRESENTAÇÃO: SEQUÊNCIA RÁPIDA DE INTUBAÇÃO

Paulo R. Margotto, Marta David Rocha de Moura, Fabiano Cunha Gonçalves, Joseleide de Castro, Priscila Guimarães.

A intubação é um procedimento potencialmente doloroso, estressante e é associado com efeitos fisiológicos adversos, devendo sempre ser precedido de analgesia  nas INTUBAÇÕES ELETIVAS (obstrução do tubo, piora do desconforto respiratório, extubação acidental, ou antes, de um procedimento cirúrgico), pois muito desses bebês já tem acesso venoso. É inapropriada e inaceitável   a intubação de neonato em estado de vigília (a dor é intensa!). Há na literatura um “coquetel” de diferentes drogas usadas na intubação desses bebês (fentanil, remifentanil, ketamina, propofol, Midazolam, rocurônio, dexmedetomedina, atropina (vagolítico), isoladas ou em combinação, com grande diferença entre os Centros, razão pela qual, na busca de uma padronização da SRI para a nossa Unidade, realizamos essa revisão discutida com toda a Equipe na elaboração de um Protocolo (breve disponível em www.paulomargotto.com.br). Na administração minimamente invasiva do surfactante propomos medidas não farmacológicas (o uso de analgesia pode comprometer o impulso respiratório do bebê, que é crucial para o sucesso do uso dessa técnica; dado que a depressão respiratória é uma indicação para a ventilação mecânica, o uso de analgesia pode parecer contraproducente). As alternativas não farmacológicas, como enfaixar, sucção não nutritiva e uso de sacarose, podem ser utilizadas isoladamente ou em combinação com outras intervenções para aliviar a dor leve a moderada e diminuir o sofrimento neonatal durante a LISA. Essas técnicas são seguras e eficazes, e não apresentam os mesmos riscos que os medicamentos.

Tolerância diurética à furosemida em doses repetidas em bebês nascidos muito prematuros com displasia broncopulmonar

Tolerância diurética à furosemida em doses repetidas em bebês nascidos muito prematuros com displasia broncopulmonar


Diuretic Tolerance to RepeatedDose Furosemide in Infants Born Very Preterm with Bronchopulmonary Dysplasia.
Bamat NA, Huber M, Shults J, Li Y, Zong Z, Zuppa A, Eichenwald EC, Laughon MM, DeMauro SB, McKenna KJ, Laskin B, Lorch SA.J Pediatr. 2024 Mar;266:113813. doi: 10.1016/j.jpeds.2023.113813. Epub 2023 Nov 2.PMID: 37918519.

Realização por Paulo R. Margotto.

A tolerância é descrita como uma resposta diurética inicial que diminui de magnitude ao longo do tempo. A magnitude da resposta diurética inicial foi reduzida aproximadamente para metade no segundo dia de exposição e novamente reduzida para metade no terceiro dia. O aumento inicial nas taxas de fluxo urinário diminuiu com as doses subsequentes, aproximando-se dos valores basais e atingindo significância estatística após a terceira dose. Interessante que a tolerância ao diurético furosemida não foi modificada pela coadministração de diuréticos tiazídicos. Os médicos devem observar que os efeitos diuréticos da furosemida diminuem rapidamente durante exposições a doses repetidas. São necessárias pesquisas que caracterizem a farmacologia da furosemida na displasia broncopulmonar (DBP) estabelecida e que avaliem os efeitos comparativos de estratégias de dosagem alternativas nos desfechos renais e pulmonares.

Uso de diuréticos no manejo da displasia broncopulmonar em prematuros: uma revisão sistemática

Uso de diuréticos no manejo da displasia broncopulmonar em prematuros: uma revisão sistemática

Diuretics use in the management of bronchopulmonary dysplasia in preterm infants: A systematic review.Ó Briain E, Byrne AO, Dowling J, Kiernan J et al.Acta Paediatr. 2024 Mar;113(3):394-402. doi: 10.1111/apa.17093. Epub 2024 Jan 12.PMID: 38214373 Review. Irlanda.Email: obriee32@tcd.ie.  ARTIGO GRATIS!

Realizado por Paulo R. Margotto.

Os diuréticos são usados ​​na displasia broncopulmonar (DBP) para melhorar a mecânica pulmonar e as trocas gasosas. Uma minoria dos estudos não encontrou melhorias pulmonares após terapia diurética ( para  crianças com menos de 3 semanas de idade, a administração de furosemida tem efeitos pequenos ou inconsistentes). A presente revisão enfatiza a necessidade de mais pesquisas para otimizar estratégias de tratamento e desenvolver diretrizes baseadas em evidências (há poucos estudos controlados e randomizados). Assim,  eficácia dos diuréticos no tratamento da displasia broncopulmonar permanece incerta. Na nossa prática clínica reservamos o uso de diuréticos para casos de edema pulmonar (a furosemida diminui o edema pulmonar, diminuindo a resistência vascular pulmonar: furosemida na dose de 1m/kg/dia).

Propofol para Intubação Endotraqueal em Neonatos: um estudo para determinação da dose

Propofol para Intubação Endotraqueal em Neonatos: um estudo para determinação da dose

Propofol for endotracheal intubation in neonates: a dosefinding trial.

de Kort EHM, Prins SA, Reiss IKM, Willemsen SP, Andriessen P, van Weissenbruch MM, Simons SHP.Arch Dis Child Fetal Neonatal Ed. 2020 Sep;105(5):489-495. doi: 10.1136/archdischild-2019-318474. Epub 2020 Jan 13.PMID: 31932363 . Clinical Trial. Artigo Livre! Holanda.

Realizado por Paulo R. Margotto

 

Após a inclusão de 91 pacientes, o estudo foi encerrado prematuramente porque o desfecho primário só foi alcançado em  12 paciente (13% dos pacientes. Nenhuma dose ideal de propofol foi encontrada. Hipotensão arterial  induzida por propofol ocorreu em 59% dos pacientes (estado hemodinâmico do paciente deve ser cuidadosamente avaliado antes da administração de propofol). O uso do propofol na população neonatal deve ser realizada com muita cautela!

Persistência do canal arterial do bebê prematuro

Persistência do canal arterial do bebê prematuro

Patent Ductus Arteriosus of the Preterm Infant. Hamrick SEG, Sallmon H, Rose AT, Porras D, Shelton EL, Reese J, Hansmann G.Pediatrics. 2020 Nov;146(5):e20201209. doi: 10.1542/peds.2020-1209.PMID: 33093140 Artigo Gratis! Review.

Apresentação: Apresentação:MR5 Neo Gabrielly || MR2 Ped – Nathalia, Coordenação:  Marta DR de Moura.

O fechamento ductal pós-natal é estimulado pelo aumento da tensão de oxigênio e pela retirada de mediadores vasodilatadores (prostaglandinas, óxido nítrico, adenosina) e por vasoconstritores (endotelina-1, catecolaminas, prostanóides contráteis), canais iônicos, fluxo de cálcio, plaquetas, maturidade morfológica e uma evolução favorável. predisposição genética. A persistência do canal arterial (PCA) em bebês prematuros pode ter consequências clínicas. A diminuição da resistência vascular pulmonar, especialmente em recém-nascidos com idade gestacional extremamente baixa, aumenta o shunt da esquerda para a direita através do ducto e aumenta ainda mais o fluxo sanguíneo pulmonar, levando a edema pulmonar intersticial e carga de volume para o coração esquerdo. As consequências potenciais do shunt da esquerda para a direita através de uma persistência do canal arterial hemodinamicamente significativa (hsPDA) incluem risco aumentado de ventilação prolongada, displasia broncopulmonar, enterocolite necrosante ou perfuração intestinal focal, hemorragia intraventricular e morte. Na última década, tem havido uma tendência ao tratamento menos agressivo da PCA em prematuros. No entanto, há um subgrupo de bebês que provavelmente se beneficiará da intervenção, seja ela farmacológica, intervencionista ou cirúrgica: (1) indometacina intravenosa profilática em recém-nascidos altamente selecionados com idade gestacional extremamente baixa e PCA (<26 + 0/7 semanas de gestação). , <750 g de peso ao nascer), (2) terapia direcionada precoce de PCA em bebês prematuros selecionados com risco particularmente alto de complicações associadas a PCA, e (3) ligadura de PCA, intervenção por cateter ou paracetamol oral podem ser considerados como opções de resgate para fechamento hsPDA. O impacto do fechamento da hsPDA por cateter nos resultados clínicos deve ser determinado em futuros estudos prospectivos. Finalmente, fornecemos um novo algoritmo de tratamento para PCA em bebês prematuros que integra as diversas modalidades de tratamento em uma abordagem faseada.

Resultados na infância após tratamento materno pré-natal com sildenafil para restrição grave do crescimento fetal de início precoce: um ensaio randomizado (STRIDER NZAus)

Resultados na infância após tratamento materno pré-natal com sildenafil para restrição grave do crescimento fetal de início precoce: um ensaio randomizado (STRIDER NZAus)

Childhood outcomes after maternal antenatal sildenafil treatment for severe early-onset fetal growth restriction: a randomized trial (STRIDER NZAus).McKinlay CJD, Anderson C, Cheong JLY, Gordon A, Harris SL, Hurrion EM, Ireland S, Koorts P, Lui K, Mackay L, Oakes-Ter Bals M, Opie G, Sharp M, Groom KM.J Perinatol. 2023 Dec 6. doi: 10.1038/s41372-023-01838-7. Online ahead of print.PMID: 38057497.

Realizado por Paulo R. Margotto.

O SILDENAFIL, um inibidor da fosfodiesterase que causa vasodilatação seletiva ao potencializar a ação do óxido nítrico no músculo liso arterial, foi proposto como uma terapia potencial para a insuficiência placentária. Em um modelo humano ex vivo, o sildenafil reverteu a vasoconstrição tônica das artérias miometriais e a resistência arterial uterina que caracteriza a insuficiência placentária. Em vários modelos animais de restrição do crescimento fetal (RCF), o tratamento pré-natal com sildenafil aumentou o fluxo sanguíneo útero-placentário, resultando em melhor crescimento dos filhotes e benefícios semelhantes foram observados na gravidez humana. A hipótese primária era que a exposição pré-natal ao sildenafil aumentaria a sobrevida livre de comprometimento neurossensorial na primeira infância. No entanto, neste acompanhamento de 2,5 anos de crianças do ensaio STRIDER NZAus ( N  = 112), no qual mulheres com gestações únicas afetadas por restrição grave do crescimento fetal precoce foram randomizadas para receber citrato de sildenafil 75 mg por dia ou placebo até 32 semanas, houve nenhuma diferença entre os grupos na sobrevivência sem comprometimento neurossensorial, definido como paralisia cerebral, surdez, cegueira, atraso cognitivo  ou atraso motor No entanto, as crianças expostas ao sildenafil pareciam ter maior probabilidade de ter atraso cognitivo aOR = 3,71, IC 95%: 1,01, 13,6.