Categoria: Choque no recém-nasido

Terapia adjunto com glicocorticoide em pacientes com choque séptico

Terapia adjunto com glicocorticoide em pacientes com choque séptico

Adjunctive Glucocorticoid Therapy in Patients with Septic ShockVenkatesh B, Finfer S, Cohen J, Rajbhandari D, Arabi Y, Bellomo R, Billot L, Correa M, Glass P, Harward M, Joyce C, Li Q, McArthur C, Perner A, Rhodes A, Thompson K, Webb S, Myburgh J; ADRENAL Trial Investigators and the Australian–New Zealand Intensive Care Society Clinical Trials Group.N Engl J Med. 2018 Mar 1;378(9):797-808. doi: 10.1056/NEJMoa1705835. Epub 2018 Jan 19.PMID: 29347874. Similar articles.

Apresentação:Fernanda CésarCoordenação: Alexandre Peixoto Serafim

No tratamento de Sepse não há um tratamento farmacológico comprovado eficaz, além  de antibióticos apropriados, fluidos, drogas vasopressoras. A mortalidade varia entre 30-45%. Os glicocorticoide tem sido  usados há mais de 40 anos. A eficácia e segurança são incertas. Nesse ensaio internacional, multicêntrico, duplo-cego, randomizado, controlado c0m 3800 pacientes (Ensaio ADRENAL [Adjunctive Corticosteroid Treatment in Critically Ill Patients with Septic Shock]) não houve diminuição significativa do óbito aos 90 dias no grupo com o esteróide ((hazard ratio, 0.95; 95% CI, 0.84 to 1.07; P=0.42). No entanto, houve menor tempo para resolução do choque, menor tempo de internação, menor tempo de VM e menos transfusão no grupo do esteróide. Nos links,o que escrevemos sobre Insuficiência adrenal relativa no choque séptico, juntamente com a Dra. Márcia Pimentel de Castro.

PROBLEMAS HEMODINÂMICOS NO NEONATO

PROBLEMAS HEMODINÂMICOS NO NEONATO

Autor: Alexandre Serafim

Capítulo do livro Assistência ao Recém-Nascido de Risco, Hospital de Ensino Materno Infantil de Brasília, 4a Edição, 2018, em preparação.

O equilíbrio hemodinâmico do recém-nascido, particularmente o do prematuro, é complexo e envolve a interação de uma série de fatores:Miocárdio imaturo ou doente,Volume Intravascular,Alteração sistêmica da pós-carga,Alteração da pós-carga pulmonar,Shunts da circulação sistêmica,Perda do tônus vascular,Interações respiratórias e ventilatórias.

Existem vários cenários diferentes caracterizados pela instabilidade hemodinâmica no recém-nascido. Cada um deles deve ser abordado de acordo com suas particularidades. São eles:

-A instabilidade do prematuro com muito baixo peso, que caracteristicamente ocorre nas primeiras 24 horas de vida

– O neonato com hipertensão pulmonar persistente

– A depressão miocárdica na asfixia perinatal

-O prematuro hipotenso com insuficiência adrenal relativa e resistência a vasopressores/inotrópicos

– Qualquer recém-nascido hipotenso com síndrome da resposta inflamatória sistêmica secundária a sepse (choque séptico) ou outra causa de injúria como enterocolite necrosante.

A infusão de norepinefrina melhora a hemodinâmica nos recém-nascidos prematuros durante o choque séptico

A infusão de norepinefrina melhora a hemodinâmica nos recém-nascidos prematuros durante o choque séptico

Rizk MY, Lapointe A, Lefebvre F, Barrington KJ. Apresentação:  Ricardo Tavares Borges, Gabriella Maria Lucena Viana, Maisa da SilvaDulci Medeiros. Foram estabelecidas diretrizes de tratamento para o tratamento do choque séptico para adultos e crianças, mas não há bons dados com os quais possa desenvolver diretrizes para o recém-nascido (RN), não existindo diretrizes para os RN pré-termo e não há orientação sobre o uso de inotrópico (condicionado à preferência do Centro Clínico!).Já é do nosso conhecimento que nos RN com sinais de choque que não respondem à administração de fluidos, requerem o uso de inotrópicos ou vasopressores para melhorar a perfusão.A partir de um banco de dados foram identificados os 30 RN<34 semanas que receberam norepinefrina (NE) entre 2009 e 2011. Hipotensão arterial foi definida por uma pressão arterial média (PAM) inferior ao percentil 10 para a idade gestacional e na presença de diurese inferior a 1mL/kg/h. Quando avaliados 8 horas após o término da infusão de NE, 24 pacientes (80%) tiveram reversão do choque (pressão arterial normal para a idade gestacional e diurese normal). Nenhum paciente precisou de dobutamina ou expansão de volume nas 8 horas após a suspensão da NE. O risco potencial de hipertensão pulmonar nestes bebês suscita preocupações com os efeitos pulmonares dos inotrópicos, como dopamina (além de aumentar a pressão arterial aumenta a resistência arterial pulmonar), o que não ocorre com a NE

  • O risco potencial de PPNN no período neonatal suscitou preocupações com os efeitos pulmonares da NE (prece exibir um efeito vasodilatador pulmonar!). A NE é preferível a epinefrina (em adultos), pois a epinefrina aumenta a taxa metabólica basal, com risco de arritmias cardíaca, maior aumento da frequencia cardíaca e aumento de lactado e consumo de oxigênio pelo miocárdio em choque séptico.
Manuseio da hipotensão nos pré-termos: ensaio controlado randomizado do manuseio da hipotensão nos recém-nascidos de extrema baixa idade gestacional

Manuseio da hipotensão nos pré-termos: ensaio controlado randomizado do manuseio da hipotensão nos recém-nascidos de extrema baixa idade gestacional

Dempsey E.M,  Barrington K.J, Marlow N et al.
Neonatology 2014; 105: 275-281.

Apresentação: Ana Carolina Pessoa Simões, Giulliane Carvalho Costa, Glenda Maria Gallerani Pacheco. 
Coordenação: Paulo R. Margotto.
Universidade Católica de Brasília

Tratamento da hipotensão presumida nos recém-nascidos de muito baixo peso: efeitos na oxigenação cerebral regional

Tratamento da hipotensão presumida nos recém-nascidos de muito baixo peso: efeitos na oxigenação cerebral regional

Garner RS, Burchfield D (EUA). 
Arch Dis Child Fetal Neonatal Ed 2013;98:F117-F121

Apresentação: Laís Póvoa, Morgana Pelegrini,  Saulo Floriano.
Coordenação: Paulo R. Margotto.
Escola Superior de Ciências da Saúde, a Faculdade de Medicina da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal