Mês: janeiro 2021

NEURORESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEONATAL- compartilhando imagens: KERNICTERUS

NEURORESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEONATAL- compartilhando imagens: KERNICTERUS

Paulo R. Margotto

“Kernicterus é devastador, porém, evitável”

Caso Clínico

Recém-nascido (RN) de 10 dias de vida, 37 semanas e 2 dias, parto normal, bossa occipital direita, peso ao nascer de 3.240g, com perda de peso de 13% (aos 10 dias de vida). Incompatibilidade ABO, Coombs direto negativo. Submetido á fototerapia por 24 horas. No domicílio refere dificuldade de amamentação (dificuldade de pega), sonolência. Com 9 dias de vida foi colhido bilirrubina sérica a nível ambulatorial, iniciando a noite quadro de irritabilidade e choro constante. Ao ser avaliado no Pronto Socorro, aos 10 dias de vida, apresentava-se ictérica e desidratada e com hipoglicemia. Foi encaminhada à UTI Neonatal, aonde chegou com posição em opistótono, desidratada (recebeu 3 fases rápidas num total de 50ml/Kg de Soro Fisiológico). Bilirrubina sérica de 22mg%.  Recebeu fenobarbital (20mg/kg + 10 mg/kg e manutenção de 5mg/kg). Gasometria normal, anion gap normal. Paciente evoluiu com Exame Neurológico alterado (hipertonia de membros superiores em extensão + hipertonia dos membros inferiores em flexão). PCR e hemograma normais e hemocultura negativa após 72 horas.

UTI PEDIÁTRICA: Causas infecciosas e autoimunes de encefalite em crianças

UTI PEDIÁTRICA: Causas infecciosas e autoimunes de encefalite em crianças

Infectious and Autoimmune Causes of Encephalitis in Children.Erickson TA, Muscal E, Munoz FM, Lotze T, Hasbun R, Brown E, Murray KO.Pediatrics. 2020 Jun;145(6):e20192543. doi: 10.1542/peds.2019-2543. Epub 2020 May 1.PMID: 32358069.

Apresentação: Antônio Batista de Freitas Neto. RIII – Medicina Intensiva Pediátrica HMIB. Coordenação: Alexandre Serafim.

  • JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: A encefalite pode resultar em morbimortalidade neurológica em crianças. As causas infecciosas e não infecciosas recentemente reconhecidas de encefalite tornaram-se cada vez mais importante na última década.
  • MÉTODOS: Revisamos retrospectivamente os registros médicos de pacientes pediátricos em Houston diagnosticados com encefalite em uma área de captação urbana e rural entre 2010 e 2017. Conduzimos uma investigação para compreender a etiologia, as características clínicas e práticas de teste diagnóstico nesta população.
  • RESULTADOS: Foram avaliados 231 pacientes que se enquadraram na definição de caso de encefalite, entre os quais 42% não tinham etiologia reconhecida. Entre aqueles com uma etiologia identificada, a mais comum foi infecciosa (73; 31%), incluindo virais (n = 51; 22%), sendo o mais frequente West Vírus do Nilo (WNV; n = 12) e bacteriano (n = 19; 8%), sendo o mais frequente Bartonella henselae (n = 7). Entre os casos de encefalite autoimune (n = 60; 26%), a mais frequente a causa foi encefalite anti-receptor N-metil-D-aspartato (NMDAR) (n = 31). As causas autoimune foram vistas mais comumente em pacientes do sexo feminino (P, 0,01). Testes de Herpes simplex vírus e enterovírus eram quase universais; testes para encefalite anti-NMDAR, WNV e Bartonella era menos comum.
  • CONCLUSÕES: WNV foi a causa infecciosa mais comum de encefalite na nossa população pediátrica apesar da menor frequência de teste para WNV do que o vírus do herpes simplex ou enterovírus. O aumento dos testes para encefalite anti-NMDAR resultou na identificação frequente de casos. Aumento da conscientização e testes para WNV e Bartonella provavelmente resultariam em mais causas identificadas de encefalite pediátrica. O diagnóstico etiológico precoce de encefalites pode levar a melhorar os resultados clínicos.