Categoria: Pediatria-Universidade Católica de Brasília-2018

Síndrome cardíaca pós-ligadura associa-se com aumento da morbidade nas crianças pré-termo

Síndrome cardíaca pós-ligadura associa-se com aumento da morbidade nas crianças pré-termo

Post-ligation cardiac syndrome is associated with increased morbidity in preterm infants.Ulrich TJB, Hansen TP, Reid KJ, Bingler MA, Olsen SL.J Perinatol. 2018 Feb 16. doi: 10.1038/s41372-018-0056-4. [Epub ahead of print]PMID: 29453434. Similar articles. Kansas City, MO, USA.

Apresentação:Carolinny de Rezende Queiroz, Gláucia Naves Silva.Coordenação: Paulo R. Margotto.

O pós-operatório da ligadura do canal arterial é frequentemente complicado por uma instabilidade respiratória aguda e hemodinâmica que ocorre nas primeiras  24h após o procedimento. A síndrome cardíaca pós-ligadura (Post-ligation cardiac syndrom- PLC), com seus distintos sintomas de hipotensão sistêmica e ventilação e/ou falha de oxigenação, complica em 30 – 44% de todos os fechamentos do canal arterial.A mortalidade neonatal após o ligadura do canal arterial complicada por hipotensão sistêmica tem sido relatada como sendo de 33%, mas há uma escassez de dados sobre outras complicações neonatais associadas a este fenômeno de pós-ligadura. O presente estudo retrospectivo observacional (janeiro de 2006 a fevereiro de 2015) incluiu 100 pacientes com média de idade gestacional de 25 semanas (31 com a PLC e 69 sem a PLC). Antes das cirurgias, a ligadura foi discutida pelos Neonatologistas, Cardiologistas e Cirurgiões Cardiotorácicos. Após ajuste multivariável, a PLCS associou-se significativamente com displasia broncopulmonar (RR:1,67, 95% IC de 1,15-2,42) e necessidade de oxigênio domiciliar (RR:1,46; IC a 95%:1,09-1,99, sem significância na retinopatia da prematuridade grave entre os grupos. Também sem diferença na mortalidade entre os grupos na alta [7%] (já detectada na análise univariada), diferente de outros autores (33%!). Portanto a PLC aumenta significativamente a morbidade pulmonar. Em animais demonstrou-se que a mecânica pulmonar e a área da superfície alveolar falharam na melhora após a ligadura do canal arterial, além de uma sobrerregulação de genes associada à inflamação pulmonar após a ligadura do canal arterial. A ligadura altera abruptamente as condições de carga do coração, aumentando a pós-carga ventricular esquerda e reduzindo a pré-carga. Os bebês  prematuros têm rigidez não complacente de ventrículos em relação a bebês a termo. A disfunção diastólica, que pode ser exacerbada pela ligadura do canal arterial, pode levar congestão venosa pulmonar e comprometimento da mecânica pulmonar. A maior necessidade de ventilador em pacientes com PLCS pode ser o catalisador para o aumento de morbidade. A hipotensão arterial frequentemente ocorre nestes bebês, devido ao não aumento do cortisol em resposta ao estresse (interessante que o uso de hidrocortisona pré-operatória de estresse não reduziu a instabilidade cardiovascular nestes recém-nascidos). Essas mudanças cardiovasculares abruptas prejudicam função ventricular e débito com subseqüente congestão venosa e descompensação cardiopulmonar. Especula-se que retardar a ligadura pode permitir maturação do sistema cardiovascular e eixo hipotalâmico-hipofisário-adrenal, diminuindo assim o risco de PLCS. Nos links, o conhecimento de que o paracetamol tardio reduziu em quase 50% a ligadura cirúrgica nos RN<28 semanas ao nascer e como lidamos com a Síndrome cardíaca pós-ligadura