Categoria: 1o Simpósio Internacional de Neonatologia do Distrito Federal

Probióticos: existe espaço para eles na UTI Neonatal?

Probióticos: existe espaço para eles na UTI Neonatal?

Paulo R. Margotto

1o Simpósio Internacional de Neonatologia do Distrito Federal. 10 Simpósio Internacional de Neonatologia do HMIB “Dr. Paulo R. Margotto” 25 a 27 de outubro de 2018

Não temos usado probióticos nos recém-nascidos pré-termos de risco para enterocolite necrosante, tal como a expressiva maioria dos Centros Neonatais do Brasil, apesar dos resultados favoráveis das metanálises.

Acreditamos que seria inoportuna comparar o uso de probióticos a estratégias solidamente estabelecidas como o  uso de surfactante e corticosteróides antenatais,como  proposto pelo australiano Tarnow-Mordi W em recente Editorial publicado online no Journal of Pediatrics (2014).

Ainda há incertezas não totalmente resolvidas, como:clareza nas preparações dos probióticos, diversas espécies com diferentes efeitos, dosagem, vivos ou atenuados, falta de regulação federal dos probióticos como aditivos alimentares ou droga, número insuficiente  de recém-nascidos<1000g para a avaliação (maior risco de enterocolite necrosante), menor taxa de uso de leite humano nos estudos   e o desconhecimento de efeitos a longo prazo da alteração da microbiota intestinal.

Usamos precocemente na nossa Unidade colostro e leite da própria mãe  o mais precoce possível para estes recém-nascidos de risco, (iniciando nas primeiras 24 se possível) evidência sólida de que estamos promovendo  o crescimento das bifidobactérias (inibe o crescimento de coliformes e outros organismos potencialmente  patogênicos).

A administração de probióticos nesses pacientes pode influenciar a longo prazo do padrão bacteriano.