Doença Metabólica Óssea da Prematuridade-2019

Doença Metabólica Óssea da Prematuridade-2019

Miza Maria B.A.Vidigal, Paulo R. Margotto

Capitulo do livro Assistência ao Recém-Nascido de Risco, 4ª Edição, 2019, no Prelo

Condição patológica inerente ao bebe prematura caracterizada por uma redução do tecido osteóide e do componente mineral e por alterações bioquímicas do metabolismo fósforo-cálcico que determinam alterações no processo de mineralização óssea levando a fragilidade do suporte estrutural deste (osteopenia), podendo ocasionar o aparecimento de fraturas espontâneas (raquitismo) quando na sua forma mais grave. A incidência atual é desconhecida e os últimos estudos mostram que mais da metade dos recém-nascidos com menos de 28 semanas de idade gestacional e menos de 1000g gramas desenvolverão a patologia e um em cada 5 dos menores de 1500g. A concomitância de prematuridade extrema com retardo de crescimento aumenta ainda mais a gravidade da doença.

NA PROFILAXIA

-Fisioterapia motora: mobilização precoce com 2-5 semanas de vida (a depender da estabilização do bebê) por meios de exercícios passivos nos recém-nascidos de risco levou a efeitos benéficos sobre o peso corporal, aumento da mineralização óssea, aumento dos marcadores de formação óssea e níveis de leptina e atenuação do declínio pós-natal natural na velocidade óssea do som. Estes resultados sugerem que o exercício pode desempenhar um papel importante na prevenção e tratamento da osteopenia da prematuridade. Os exercícios consistem em movimentos de extensão e flexão passiva de membros superiores e inferiores durante 5-15 minutos /dia, 2-3 vezes ao por 4-8 semanas).