Trombocitopenia/Trombocitose

Trombocitopenia/Trombocitose

Paulo R. Margotto.

Capítulo do livro Assistência ao Recém-Nascido de Risco, 4a Edição, 2019, em preparação.

Trombocitopenia é definida como contagem do número de plaquetas inferior a 150.000 / mm3 (sangue colhido com EDTA). Ocorre em 18 a 35% dos RN na UTI Neonatal (80% ocorre na primeira semana de vida), sendo mais comum nos RN com peso ao nascer <1000g (prematuros extremos). A classificação da trombocitopenia, segundo Christensen é: abaixo de 50.000/mm3 é considerada trombocitopenia grave (38% dos pré-termos extremos); entre 51 e 100.000/mm3 é considerada moderadamente severa (RN com restrição do crescimento intrauterino, RN de mães hipertensas); trombocitopenia leve: 101.000 a 149.000/mm3 (23% dos pré-termos extremos). Com a contagem de plaquetas acima de 100.000/mm3 não aumenta o risco de sangramento (não há aumento do tempo de sangramento nesta faixa de número de plaquetas).  Trombocitose, segundo a Organização Mundial de Saúde, é o úmero de plaquetas acima de 600.000/mm3. Outros definem por um número de plaquetas acima de 400.000, acima de 600.000 08 acima de 90.000/mm3. Wiedmeier SE et al, a partir de 47.000 indivíduos durantes os primeiros 90 dias de vida relataram que acima do percentil 95% o número de plaquetas pode ser tão alto como 750.000/mm3. Em estudo recente estes autores relataram trombocitose extrema o número de plaquetas acima de 1000.000/mm3.